OIM pede “financiamento adicional urgente” para conter surto de cólera no Líbano

15 de Novembro 2022

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) pediu aos doadores internacionais "financiamento adicional urgente" para manter a sua capacidade de resposta a uma epidemia de cólera no Líbano. 

“A OIM, graças à sua vasta experiência em emergências de saúde pública, tem sido capaz de apoiar a resposta imediatamente, e necessita de financiamento adicional urgente para evitar a perda de vidas e sofrimento evitáveis”, disse Jacqueline Weekers, diretora de Saúde das Migrações da OIM.

“Sempre que há um surto de doença transmissível, não há tempo a perder”, acrescentou a reponsável da OIM.

O Líbano declarou em outubro deste ano o seu primeiro caso de cólera em 30 anos, e até ao dia 11 de novembro cerca de 3.253 casos e 18 mortes foram registados.

Esta emergência de saúde pública surge numa altura em que o país se vê numa grave crise económica que enfraqueceu o seu sistema de saúde pública e degradou o abastecimento de água, saneamento e higiene, deixando comunidades vulneráveis mais dependentes de fontes de água inseguras e aumentando a sua exposição a doenças transmitidas pelos líquidos e pelos alimentos, tais como a cólera.

Através deste apelo, a OIM procura 365 mil dólares para sustentar a sua resposta até ao final de março de 2023, para continuação dos serviços essenciais, incluindo comunicação de risco e envolvimento da comunidade, apoio à capacidade de resposta da saúde pública através do fornecimento de equipamento como camas de cólera, material médico, ‘kits’ de testes, cuidados médicos para migrantes que necessitam de hospitalização devido à infeção da cólera e apoio ao saneamento e higiene da água para reduzir a transmissão.

Os voluntários da OIM na área da saúde da comunidade têm vindo a realizar esforços de sensibilização em todo o Líbano, entre migrantes e outras comunidades vulneráveis, informando sobre os sintomas, medidas preventivas da cólera e como aceder ao apoio médico.

Desde o início da epidemia de cólera no país, a OIM alcançou aproximadamente quinze mil pessoas.

A OIM tem sido importante na ajuda aos países e comunidades na preparação e contenção de surtos de doenças infecciosas.

Só em 2021, a organização apoiou 57 planos de emergência de saúde pública em todo o mundo, vacinou mais de 1 milhão de pessoas no contexto de surtos de doenças e alcançou mais de 10 milhões de pessoas com atividades de comunicação de risco e de envolvimento comunitário.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights