DaVita alerta que ARS Norte força doentes de Lamego a percorrer 100 quilómetros para fazer hemodiálise

23 de Novembro 2022

A decisão da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS Norte) de chumbar o licenciamento de uma clínica de diálise recentemente construída em Lamego “nega aos doentes renais crónicos da região a oportunidade de evitar horas de viagem”, denuncia a DaVita.

A DaVita relata que a sua nova clínica em Lamego – recentemente concluída com um custo de 2 milhões de euros – foi recusada pela ARS Norte, “apesar de cumprir todos os requisitos exigidos legalmente”.

Paulo Dinis, diretor-geral da DaVita Portugal, diz que esta decisão “é infundada e significa que os doentes de Lamego continuam a ser obrigados a viajar mais de 100 km por dia para o seu tratamento, o que reduz drasticamente a sua qualidade de vida”.

“A DaVita – como outros prestadores de hemodiálise em Portugal – investe milhões de euros na construção de clínicas mais próximas das casas dos doentes, a fim de evitar que façam longas viagens, que são prejudiciais para a sua saúde; e a reduzir os custos de transporte pagos pelo Ministério da Saúde”, refere.

Para Paulo Dinis, “não é aceitável”, nem para os prestadores de cuidados, nem para os doentes, “ter uma licença negada nas fases finais de uma construção de três anos”, mas o diretor ainda espera que a ARS Norte aprove a abertura da clínica, “em benefício das pessoas com doenças renais de Lamego”.

PR/HN/RA

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights