Proteção Civil alerta para possíveis cheias em meio urbano no norte e centro

31 de Dezembro 2022

A Proteção Civil alertou hoje para a possibilidade de cheias em meio urbano em especial no norte e centro do país, recomendando a redução de deslocações na noite de fim de ano.

“Há um potencial de cheias face à forte precipitação que se vai sentir entre hoje e amanhã [domingo]”, anunciou hoje o comandante nacional da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANPC).

Segundo André Fernandes, as bacias hidrográficas onde existem “maiores probabilidades de haver inundações em meio urbano assim como cheias” são as dos “rios Minho, Lima, Cávado, Ave, Douro, Vouga, Mondego e Tejo”.

Com o agravamento das condições meteorológicas previstas para as próximas horas, a ANPC decidiu que as 00:00 passariam a alerta vermelho [o mais grave da escala] os distritos do Porto, Viana do Castelo, Braga e Aveiro.

“Reduzir ao máximo as deslocações, ficar e casa e não conduzir nestas áreas afetadas porque é provável que haja inundações nas rodovias” são as recomendações feitas hoje pela proteção civil.

Para quem tem de regressar a casa, o comandante André Fernandes pede que “planeiem bem as viagens, no dia 1, verificando se há inundação das rodovias”, devendo por isso estar “atento às mensagens das autoridades”.

Outra das recomendações é para que as pessoas não se dirijam às praias na manhã de dia 1 de janeiro de 2023 para primeiro banho do ano, até porque as previsões são também de maior agitação marítima na costa.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights