Estudo sugere que doença de Parkinson pode começar no intestino

12 de Fevereiro 2023

Uma equipa de investigadores sugeriu recentemente num estudo que a doença de Parkinson pode começar no intestino, espalhando-se posteriormente para o cérebro. 

Uma pesquisa realizada por investigadores da Universidade de Surrey e da Universidade do Alabama em Birmingham quis avaliar o papel das bactérias intestinais no desenvolvimento da doença de Parkinson. 

Ao tratar-se de uma doença profundamente incapacitante, os resultados representam uma descoberta importante para os doentes e para a comunidade médica.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, a doença de Parkinson é a segunda doença neurodegenerativa mais comum, tendo a sua prevalência aumentado nos últimos anos. Estima-se que  mais de 8,5 milhões de pessoas sofram da doença. 

Ayse Demirkan, um dos autores do estudo, sublinhou que o número de doentes diagnosticados duplicou nos últimos 25 anos, alertando, ao mesmo tempo, para um aumento da mortalidade. “Isso é muito preocupante, pois não há cura conhecida”. 

Apesar do cenário atual, o investigador destacou a importância da ciência. “Quanto mais aprendemos sobre as causas da doença, mais informados podemos estar no desenvolvimento de novos tratamentos e, eventualmente, uma cura”.

O estudo que sugeriu uma ligação ente as bactérias do intestino e o desenvolvimento da doença contou com a participação de mais de 700 pessoas  – 490 pessoas com doença de Parkinson e 234 pessoas neurologicamente saudáveis foram recrutadas. 

A pesquisa envolveu uma análise às fezes dos participantes. 

“A composição das bactérias intestinais dos doentes com Parkinson consiste em uma superabundância de patógenos e bactérias que podem desencadear respostas imunes entre vários outros mecanismos, envolvendo várias vias metabólicas bacterianas, mostrando-nos uma fachada complexa do distúrbio no intestino”, notou Ayse Demirkan.

O estudo “Metagenomics of Parkinson’s disease implicates the gut microbiome in multiple disease mechanisms” foi publicado na revista científica Nature Communications. 

AG/RN/HN/VC

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights