Investigação alerta que Covid-19 pode aumentar o risco de diabetes

15 de Fevereiro 2023

As pessoas que contraem Covid-19 apresentam um maior risco de sofrer de diabetes tipo 2, considerada uma das principais causas do surgimento de doenças cardiovasculares, sugere um estudo norte-americano.

“Os nossos resultados indicam que o risco de desenvolver diabetes tipo 2, após uma infeção de Covid-19, não foi apenas uma observação inicial, mas um risco real que, infelizmente, persistiu durante a variante Ómicron”, adiantou Alan Kwan, cardiologista e coordenador do estudo.

Segundo o especialista do Smidt Heart Institute (SHI), pertencente à instituição norte-americana Cedars-Sinai, as conclusões agora divulgadas constituem uma “ajuda para compreender e preparar melhor a era pós-covid-19” em relação ao risco cardiovascular das pessoas que foram infetadas pelo vírus SARS-CoV-2.

Publicado na revista médica JAMA Netwok Open, da American Medical Association, o estudo sugere também que o risco de poder vir a ter diabetes tipo 2 é mais baixo nas pessoas que já estavam vacinadas contra a Covid-19 quando foram infetadas com o coronavírus.

Para determinar o aumento das taxas de diabetes, os investigadores do SHI avaliaram os registos médicos de 23.709 adultos que tiveram pelo menos uma infeção pelo SARS-CoV-2 documentada e foram tratadas nas instituições do Cedars-Sinai, em Los Angeles, entre 2020 e 2022.

“O risco de diabetes tipo 2 após a exposição à Covid-19 para doentes não vacinados foi de 2,7%”, baixando para 1% no caso das pessoas previamente imunizadas, adianta ainda o estudo revisto por pares.

Estes resultados sugerem que a “vacinação contra a Covid-19 antes da infeção pode fornecer um efeito protetor contra o risco de diabetes”, salientou Alan Kwan.

“Embora sejam necessários mais estudos para validar esta hipótese, continuamos firmes na nossa convicção de que a vacinação continua a ser uma ferramenta importante na proteção contra a covid-19, mas também contra os riscos ainda incertos que as pessoas podem experimentar durante o período pós-infecção”, defendeu o especialista.

Já Susan Cheng, professora de Cardiologia no SHI, admite que as tendências e os padrões que têm sido registados indiciam que a Covid-19 “pode estar a agir em certos cenários como um acelerador de doenças”.

“Em vez de ser diagnosticada com diabetes aos 65 anos, uma pessoa com risco pré-existente pode, após uma infeção de Covid-19, ser mais propensa a desenvolver diabetes aos 45 ou 55 anos”, explicou a cardiologista.

Segundo dados do estudo, a diabetes afeta cerca de 26 milhões de pessoas nos Estados Unidos.

De acordo com dados recentes da Federação Internacional de Diabetes, Portugal apresenta a segunda maior prevalência padronizada de diabetes da União Europeia, com 9,1% na população entre os 20 e os 79 anos, acima dos 6,2% do conjunto dos países.

No final de novembro de 2022, a Direção-Geral da Saúde avançou que mais de 79 mil casos de diabetes foram registados em cerca de um ano, elevando para quase 880 mil o número de pessoas inscritas nos centros de saúde com a doença.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Cáritas de Coimbra em projeto europeu para demência

Advertisement

Uma tecnologia baseada em sensores de inteligência artificial 3D, testada num projeto europeu liderado em Portugal pela Cáritas Diocesana de Coimbra, foi divulgada hoje como solução para melhorar o cuidado de pessoas com demência.

Projeto pretende simplificar prestação de cuidados domiciliários

Advertisement

“BetterCare: a STEP UP in caregiving” foi a equipa vencedora do programa Link me up – Cocriação de Inovação no Politécnico de Coimbra (IPC). O projeto pretende dar resposta às necessidades crescentes na área da prestação de cuidados domiciliários especializados e personalizados.

MAIS LIDAS

Share This