Uma embalagem de genérico é 58% inferior ao preço médio do original

24 de Maio 2023

O preço de uma embalagem de um genérico nas farmácias foi 58% inferior ao preço médio do medicamento originador em 2022, revela um estudo, segundo o qual a adesão a estes fármacos tem vindo a crescer, mas lentamente

O estudo “Valor estratégico da indústria de medicamentos genéricos e biossimilares em Portugal”, hoje divulgado, teve como objetivo mapear o impacto desta indústria na saúde, na economia e na coesão social, tendo concluído que este setor é essencial, mas não é potenciado.

Promovido pela Associação Portuguesa de Medicamentos Genéricos e Biossimilares (APOGEN), que assinala o seu 20.º aniversário, o estudo, elaborado pela consultora Deloitte, refere que, na área da saúde, “os medicamentos genéricos e biossimilares aumentam o acesso e contribuem para a redução da despesa, libertando recursos que podem ser realocados para o financiamento da inovação terapêutica, assim como na contratação de mais profissionais, gerando ganhos em saúde que se traduzem no aumento da longevidade e da qualidade de vida”.

Atualmente, a adesão aos medicamentos genéricos e biossimilares, embora de forma lenta, têm vindo a crescer, havendo tendência para uma maior presença no mercado hospitalar”, refere o estudo, acrescentando que, em 2022, os genéricos obtiveram uma quota de mercado em volume de 49%, 25% de ‘market value’, sendo que as vendas no mercado atingiram os 811 milhões de euros.

No ano passado, em média, o preço de uma embalagem de um genérico, no mercado ambulatório, foi 58% inferior ao preço médio de um medicamento originador, “apesar do aumento significativo da inflação, custos das matérias-primas e custos de contexto que foram totalmente absorvidos pelo setor”, salienta.

Aponta como exemplo do acesso proporcionado por estas tecnologias de saúde a introdução, em 2010, do genérico da Atorvastatina (para combater o colesterol) que permitiu aumentar a acessibilidade em 750%, e a introdução do medicamento biossimilar (terapêutica biológica) de Infliximab (para tratamento de doenças como artrite reumatoide, doença de Crohn, espondilite anquilosante, artrite psoriásica e psoríase) permitiu em sete anos aumentar a acessibilidade em 154%.

Em 20 anos, os genéricos geraram uma poupança superior a 7.000 milhões de euros para o Estado e para as famílias.

Os biossimilares aumentaram, em média, a acessibilidade em 46%, três anos após a sua introdução no mercado, ou seja mais 46% de doentes tiveram acesso à terapêutica biológica, refere o estudo, salientando que a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde depende da sustentabilidade deste setor.

O estudo realça que as quotas de mercado destes dois segmentos apresentam disparidades substanciais dos níveis de adesão no contexto hospitalar, ambulatório e por área terapêutica.

“No caso dos medicamentos genéricos, que contabilizam mais de 2.600 fármacos no mercado, a evolução da quota de mercado é lenta, está estagnada há mais de cinco anos e continua abaixo da média dos países da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico]”, elucida.

Já os medicamentos biossimilares, que contabilizam mais de 40 produtos comercializados, apresentavam, em 2022, taxas de utilização entre os 14% e os 100% nos diferentes hospitais do SNS.

Sobre os impactos do setor na economia, o estudo refere que esta indústria tem capacidade instalada para garantir o fornecimento de medicamentos essenciais em Portugal e promove o equilíbrio da balança comercial.

Em termos de exportações, o volume representado pelos associados da APOGEN é de 625 milhões de euros, sendo que, por cada 100 milhões de euros de produto produzido e exportado, o setor aporta 51,7 milhões de euros de Valor Acrescentado Bruto à economia nacional.

Segundo o estudo, estes medicamentos têm um impacto que se reflete no Produto Interno Bruto (PIB) nacional, traduzido nos cerca de 535 milhões de euros de valor acrescentado bruto e que correspondem a 1,6% do contributo da totalidade da indústria transformadora em Portugal.

O volume de negócios impactados, cujo valor é cerca de 2.500 milhões de euros, é significativo e tem uma elevada representatividade a nível nacional, sendo também gerador direto e indireto de mais de 16.000 empregos.

O estudo teve como base metodológica a análise de dados qualitativos e quantitativos, através de um questionário realizado junto das empresas associadas da APOGEN, entrevistas aos ‘stakeholders’ da saúde, ‘benchmarking’ com 10 países europeus e dados do mercado nacional.

NR/HN/Lusa

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Cáritas de Coimbra em projeto europeu para demência

Advertisement

Uma tecnologia baseada em sensores de inteligência artificial 3D, testada num projeto europeu liderado em Portugal pela Cáritas Diocesana de Coimbra, foi divulgada hoje como solução para melhorar o cuidado de pessoas com demência.

MAIS LIDAS

Share This