Equipa aconselha OMS a declarar fim de surto de poliomielite em Moçambique e Maláui

14 de Maio 2024

Uma equipa independente que avaliou a resposta ao surto de poliomielite recomendou esta terça-feira à Organização Mundial de Saúde (OMS) que seja declarado o fim do surto da doença no Maláui e em Moçambique.

“Após avaliações exaustivas no Maláui e em Moçambique, uma equipa independente de avaliação da resposta ao surto de poliomielite recomendou hoje que se declare o fim do surto de poliovírus selvagem do tipo 1 (PVS1)” nos dois países, “um marco significativo na luta contra a poliomielite na região africana”, afirmou a OMS em comunicado.

O último caso de poliovírus selvagem de tipo 1 na região africana, ligado a uma estirpe que circula no Paquistão, foi registado na província de Tete, em Moçambique, em agosto de 2022.

Na altura foi detetado um total de nove casos em Moçambique e no vizinho Maláui, onde o surto foi declarado em fevereiro de 2022. Numa resposta coordenada a este surto, mais de 50 milhões de crianças foram vacinadas contra o vírus na África Austral, recordou a OMS no mesmo comunicado.

Segundo a OMS, a avaliação “meticulosa” realizada pela equipa independente de avaliação da resposta ao surto de poliomielite incluiu duas análises de campo aprofundadas e uma análise adicional dos dados. E depois disto concluiu que “não existem dados factuais relativos à transmissão em curso do poliovírus selvagem”.

Na avaliação considerou-se também a qualidade da resposta ao surto, “incluindo a imunidade geral da população, as campanhas adicionais de vacinação, a cobertura vacinal de rotina, os sistemas de vigilância, as práticas de gestão das vacinas e o nível de envolvimento da comunidade”, adiantou.

“Esta conquista é uma prova do que pode ser alcançado quando trabalhamos em conjunto com dedicação e determinação”, afirmou a diretora regional da OMS para África, a médica Matshidiso Moeti.

“É imperativo agora que continuemos a reforçar os nossos sistemas de vacinação, a melhorar a vigilância e a chegar a todas as crianças com vacinas que salvam vidas”, acrescentou.

As autoridades de saúde, com o apoio técnico da Iniciativa Mundial de Erradicação da Poliomielite, colocaram em prática estratégias nacionais de prevenção, no Maláui e em Moçambique, assim como em todos os distritos que fazem fronteira com os outros países envolvidos na resposta, que incluem a República Unida da Tanzânia, o Zimbabué e a Zâmbia.

Até à data, foram administradas mais de 100 milhões de doses de vacinas nas zonas de maior risco. A estratégia para se antecipar a este surto e detê-lo antes que ficasse fora de controlo baseou-se “no micro planeamento pormenorizado, incluindo o mapeamento das comunidades transfronteiriças, das rotas migratórias, dos pontos de entrada e saída transfronteiriços e das rotas de trânsito para cada um dos postos fronteiriços” refere a OMS.

A organização considerou que a sincronização e a coordenação dos planos de vacinação nos cinco países, bem como a monitorização das atividades de vacinação revelou-se “fundamental para identificar e alcançar todas as crianças elegíveis nas zonas transfronteiriças”, de modo a evitar o risco de paralisia devido ao vírus.

A poliomielite não tem cura e pode causar paralisia irreversível. No entanto, a doença pode ser evitada e erradicada através da administração de uma vacina segura, simples e eficaz.

A Iniciativa Mundial para a Erradicação da Poliomielite é liderada pelos governos nacionais, a OMS, o Rotary International, o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), a Unicef, a Fundação Bill e Melinda Gates e a Gavi, a Aliança para as Vacinas. Desde 1988, a incidência do poliovírus selvagem foi reduzida em mais de 99%, de mais de 350.000 casos anuais em mais de 125 países endémicos, para quatro casos em 2024 em dois países endémicos (Paquistão e Afeganistão). Em 2023, apenas 12 casos de PVS1 foram detetados a nível mundial.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Esclerose Múltipla

Cristiana Lopes Martins, fisiatra nos hospitais de Portimão e Lagos (Unidade Local de Saúde do Algarve) e na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano; Eduarda Afonso, fisiatra no hospital de Faro (Unidade Local de Saúde do Algarve)

Enfermeiros querem reunir com António Gandra d’Almeida

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) saudou esta quarta-feira a eleição de António Gandra d’Almeida como novo diretor executivo do Serviço Nacional de Saúde. Em declarações ao nosso jornal, o responsável afirmou que vai solicitar uma reunião com António Gandra d’Almeida e a nova equipa.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights