Stephan Peters sobre o Nutri-Score: “Não há evidências da sua eficácia na vida real”

05/14/2024
Nutri-Score: Uma mais-valia ou uma ferramenta meramente ilusória? As opiniões sobre este sistema de classificação nutricional divide especialistas europeus. Há quem aponte o rótulo nutricional de 5 cores como um sistema útil para os consumidores poderem conhecer o valor nutricional geral dos produtos. No entanto, há quem aponte falhas "devido à sua falta de fundamentação científica". Este foi o caso do investigador neerlandês Stephan Peters, da Dutch Dairy Association, que falou ao HealthNews sobre o assunto. 

HealthNews (HN)- O Governo Português anunciou, no passado dia 4 de abril, a adoção do sistema Nutri-Score. Uma medida aplaudida pela principal organização de defesa dos consumidores portugueses, a DECO-Proteste. Como vê esta decisão? 

Stephan Peters (SP)- Em 2018, as organizações de consumidores europeias decidiram que existe uma necessidade de um logotipo europeu de fácil identificação nos rótulos dos alimentos. Na altura, o Nutri-Score, um sistema de rotulagem frontal de alimentos (FOPL) foi desenvolvido em França. Este FOPL foi acolhido pelas organizações de consumidores da União Europeia. À exceção do Nordic Keyhole, não havia outro FOPL aparentemente bom disponível. As organizações de consumidores são um grupo poderoso de pressão nos países da UE. No entanto, ignoraram as críticas científicas ao Nutri-Score e basearam-se apenas nos dados e estudos próprios realizados pela Nutri-Score em Paris, França.

HN- Reputados KOL secundaram o Governo, apontando vantagens ao Nutri-score? Como se explica?

SP- Não há consenso científico sobre a eficácia do Nutri-Score. Na verdade, na maioria dos países, a introdução do Nutri-Score tem causado divisões entre cientistas e, por vezes, autoridades alimentares. Em Espanha, há listas com cientistas que apoiam publicamente o Nutri-Score e igualmente listas com aqueles que são contra. Na Itália e nos Países Baixos, quase todos os cientistas não apoiam o Nutri-Score. Na Polónia também, existe discordância. Apenas em França parece haver consenso no apoio ao Nutri-Score. No entanto, conforme me foi relatado por vários jornalistas, os cientistas que não apoiam o Nutri-Score em França não se manifestam, pois sentem que não é seguro fazê-lo publicamente devido à dominância dos criadores do Nutri-Score no debate. Finalmente, em Portugal, nos últimos dias, a Ordem dos Engenheiros pronunciou-se contra o Nutri-Score devido à sua falta de fundamentação científica.

HN- O Nutri-Score é, de facto, a “medida” padrão para informar sobre os parâmetros nutricionais dos alimentos?

SP- Não, não é possível. Os alimentos têm diferentes efeitos na saúde e diferentes composições de numerosos nutrientes (essenciais). É impossível criar perfis de nutrientes para distinguir alimentos saudáveis de alimentos não saudáveis. A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), independente, fez duas tentativas de definir perfis de nutrientes. Tanto em 2006 como em 2022, não conseguiram chegar a uma conclusão. O algoritmo por trás do Nutri-Score pode ser considerado como um perfil de nutrientes, mas o problema é que é calculado com base numa quantidade muito limitada de nutrientes. Portanto, é inadequado utilizá-lo como um instrumento válido para definir alimentos como saudáveis ou não saudáveis.

HN- Considera que, no seu atual estádio de desenvolvimento, o Nutri-Score pode ser aplicado em Portugal?

SP- Nós apenas analisamos os estudos científicos por trás da validação e eficácia do Nutri-Score. Descobrimos que faltam partes essenciais de fundamentação científica, especialmente no parâmetro mais importante: não há evidências da sua eficácia na vida real. Além disso, também descobrimos que, ao comparar o Nutri-Score com o algoritmo renovado e as diretrizes alimentares baseadas em alimentos, pelo menos 20% dos produtos no supermercado exibirão um Nutri-Score incorreto. Isso representa uma margem de erro muito grande.

HN- Mas a verdade é que já foi adotado em outros países…

SP- Apenas em seis países (França, Bélgica, Luxemburgo, Alemanha, Países Baixos e Portugal) de uma UE com 27 membros. Mas em todos os países (exceto a França), o Nutri-Score foi introduzido após muitos debates e controvérsias. Foi o poder das organizações de consumidores, não a comunidade científica, que levou à introdução do Nutri-Score. Talvez seja interessante mencionar que em alguns países há algum arrependimento sobre a introdução do Nutri-Score, como por exemplo, na Suíça, onde ambas as Câmaras do Parlamento concordaram em março deste ano que o governo deve rever o seu uso, o que poderia levar à proibição do Nutri-Score. Em Espanha também houve uma enorme resistência política contra o Nutri-Score. O Senado espanhol adotou por unanimidade uma moção para bloquear a introdução do Nutri-Score no país em outubro de 2021. O único Ministro que defendia a sua introdução, o Ministro Garzón de Assuntos do Consumidor, já não está no governo. Assim, a Espanha não adotou oficialmente o Nutri-Score e não tem planos para isso, a menos que haja consenso na UE.

HN- Fala-se de viés, na apresentação dos resultados dos estudos que suportam o Nutri-Score, designadamente que a maioria dos artigos de investigação a favor do Nutri-Score são escritos por aqueles que estão diretamente envolvidos na sua criação. É assim mesmo?

SP- Sim, definitivamente. Em quatro níveis: 1. A própria fundamentação científica. 2. Os relatórios de avaliação sobre o Nutri-Score, 3. A atualização do algoritmo e 4. O processo de revisão por pares dos artigos científicos sobre o Nutri-Score.

  • A fundamentação científica:

Nos nossos estudos demonstramos que a fundamentação científica do Nutri-Score não é suficientemente fundamentada para introduzir o Nutri-Score como um logotipo eficiente na parte frontal das embalagens. A questão crítica é que, embora a fundamentação teórica do Nutri-Score seja suficiente, há uma falta de evidências de que funcione num supermercado do mundo real. Os estudos de supermercado do mundo real são escassos e não mostram um efeito negativo nas compras. Além disso, encontramos um viés de publicação a favor do Nutri-Score, porque a maioria dos estudos favoráveis foi realizada pela equipa que desenvolveu o Nutri-Score. Enquanto, por outro lado, a maioria dos estudos desfavoráveis foi realizada independentemente da equipa por trás do Nutri-Score. Claro, essa observação levou a um debate com os criadores do Nutri-Score. Ironicamente, mas essencialmente, eles confirmaram nossas observações: há um claro viés de publicação por trás do Nutri-Score.

  • Relatórios de avaliação:

Os criadores do Nutri-Score e as organizações de consumidores referem-se a avaliações científicas de autoridades científicas independentes, como a WHO/IARC, que concluem positivamente sobre o Nutri-Score. No entanto, se olharmos para os agradecimentos, veremos que o relatório foi escrito pelos próprios criadores do Nutri-Score. Além disso, existe um artigo “apoiado por 400 cientistas” sem uma visão geral da validação científica do Nutri-Score. Esses cientistas foram solicitados a apoiar um apelo para tornar o Nutri-Score obrigatório na Europa com base nessa revisão. No entanto, esta revisão também foi escrita pelos criadores do Nutri-Score, sem mencionar estudos desfavoráveis. Isso potencialmente compromete os signatários de apoio.

  • Atualização do algoritmo inadequado:

Houve muitas críticas sobre o algoritmo multi-nutriente por trás do Nutri-Score. Portanto, políticos solicitaram a um comité científico para atualizar o algoritmo para torná-lo mais alinhado com as diretrizes alimentares baseadas em alimentos. Esta foi a única oportunidade, até agora, para corrigir todas as falhas por trás do Nutri-Score. No entanto, o comité foi presidido por um dos membros da equipa dos criadores do Nutri-Score.

Diante de tudo isso, questionamos a situação atual em que o desenvolvimento científico, a avaliação do desenvolvimento científico e a correção dos erros no algoritmo devem ser conduzidos por um único grupo. Sugerimos que uma autoridade científica alimentar independente avalie a ciência por trás do Nutri-Score. Na Europa, isso seria a EFSA, a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos.

Finalmente, e talvez ainda mais importante, no processo de revisão por pares científicos, quase todos os estudos sobre rótulos frontais de alimentos são oferecidos para revisão aos cientistas por trás do Nutri-Score. Aqui também, eles têm influência na publicação de mais estudos positivos e na rejeição de estudos negativos. Alguns grupos científicos já experienciaram isso. Eu mesmo já vivenciei isso e também observei isso ao revisar artigos sobre logotipos de rótulos frontais.

HN- Que medidas de combate à obesidade recomenda à falta de validação do Nutri-Score?

SP- O desenvolvimento da obesidade numa população tem origens multifatoriais. Não sabemos exatamente quais são os impulsionadores por trás da obesidade em populações. No entanto, o aumento da obesidade é alarmante em alguns países. Nutricionistas e cientistas de alimentos observam isso e emitem sinais de alerta. Todos nós queremos reverter a prevalência da obesidade nos nossos países. Existem muitas intervenções imagináveis. Podemos mudar o ambiente alimentar ao reduzir a prevalência de restaurantes de fast-food perto das escolas; podemos introduzir impostos sobre as bebidas açucaradas ou logotipos na parte frontal das embalagens. Estes são apenas alguns exemplos. Precisamos de várias intervenções em operação simultaneamente. O problema é que não conhecemos a eficácia da maioria dessas intervenções ainda. Portanto, precisamos de investir em estudos confiáveis para determinar quais intervenções são as melhores para mudar a curva da obesidade. Já sabemos que, de todas as medidas possíveis, os logotipos na parte frontal das embalagens são os menos eficazes. Portanto, ao escolher um logotipo na parte frontal das embalagens, devemos adiar a introdução até termos certeza de que são eficazes. E este é o problema com o Nutri-Score: com toda a honestidade, não sabemos qual impacto ele tem na vida real.

Aceda a mais conteúdos exclusivos da nossa revista #20 Aqui.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

OMS lança iniciativa SPECS 2030

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acaba de lançar a iniciativa SPECS 2030, inserida na Global SPECS Network que tem como principal objetivo unir uma rede global de participantes para atingir a meta global do erro refrativo para 2030, que consiste no aumento de 40% na cobertura efetiva desta patologia.

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights