Sindicatos alertam que aumento no pagamento a médicos tarefeiros cria mal-estar

16 de Maio 2024

Os sindicatos médicos alertaram hoje que o aumento de 40% no pagamento a médicos prestadores de serviço vai acentuar o desequilíbrio já existente entre os vencimentos dos profissionais do Serviço Nacional de Saúde e os tarefeiros e criar mal-estar.

Segundo um despacho de delegação de competências publicado este mês no Diário da República, os órgãos máximos dos estabelecimentos e serviços integrados no Serviço Nacional de Saúde podem, “em situações excecionais devidamente fundamentadas”, aplicar um pagamento de valor/hora superior ao previsto, até ao limite de 40%.

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) avisa, em comunicado, que este aumento “acentua o desequilíbrio que já existe entre os vencimentos dos médicos do SNS e prestadores de serviços”, vai desincentivar a fixação de médicos no SNS e contribuir para a saída de profissionais de um regime para o outro, com prejuízo dos serviços de saúde públicos e capacidade de resposta à população.

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Nuno Rodrigues, também criticou esta medida, considerando que vai criar mal-estar entre os profissionais.

“Na verdade, esta possibilidade já existia. O que se trata neste caso, é de uma agilização para as Unidades Locais de Saúde (ULS) mais rapidamente conseguirem ter essa autorização. O problema continua a ser uma questão de igualdade”, salientou.

Para Nuno Rodrigues, não se pode aceitar que estejam dois médicos a trabalhar “lado a lado”, um com contrato de trabalho com o SNS e outro prestador de serviço, e que um receba mais de 70 euros por hora e outro, por exemplo, um médico assistente no início da carreira, receba 18,93 euros por hora.

Se os especialistas que estão à espera há um mês e meio da abertura de um concurso para ficarem no Serviço Nacional de Saúde forem ver o valor hora que é oferecido neste momento na carreira médica e o valor hora para os prestadores de serviço “começam a pensar que, se calhar, realmente não vale a pena ficar no SNS, elucidou.

Para o dirigente sindical, é preciso que o Governo, na próxima reunião negocial, dê “um forte sinal de que quer fazer uma alteração estrutural”, não só nos salários, mas também ao nível da celeridade dos concursos, da penosidade e do número de horas de urgência que os médicos têm de fazer todas as semanas.

A FNAM acrescenta no comunicado que, apesar de ainda não ser público o plano para as urgências no verão, “menos ainda o do inverno”, a decisão do Governo “passa por dar continuidade a uma política de remendos”.

Desta forma, em vez de apresentar “soluções estratégicas e de futuro para fixar médicos no SNS”, o executivo apenas contribui “para acentuar os problemas estruturais do SNS”, considera a FNAM.

Para a federação, o aumento do valor hora pago a prestadores de serviços conduz ao reforço da externalização dos serviços que o SNS devia estar capaz de assegurar, “sendo que um aumento desta proporção é um convite explícito para que os médicos, mal pagos e sem condições de trabalho, troquem o seu lugar no SNS pela prestação de serviços”.

Salienta ainda que esta política tem “provas dadas no terreno médico”, como “equipas desfeitas e desestruturadas”, “desequilíbrio entre profissionais que, pelo mesmo trabalho, recebem valores muito diferentes” e “falta de capacidade e previsibilidade na construção das escalas, que, apesar do aumento dos custos, manterá o SNS com falta de médicos”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights