Descoberta resposta diferente do sistema imunitário a alergias ou infeções

4 de Junho 2024

Uma equipa internacional de cientistas descobriu como é regulada a produção de anticorpos pelo sistema imunitário no caso de alergias ou infeções, abrindo caminho para a criação de novos tratamentos para doenças alérgicas, foi esta terça-feira divulgado.

O trabalho, liderado por Luís Graça, investigador principal no Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes, é publicado hoje na revista científica Cell Discovery, indica o iMM num comunicado.

A produção de anticorpos, que é essencial para a proteção do organismo contra infeções, é regulada através da ação de um subtipo específico de células do sistema imunitário, os linfócitos auxiliares foliculares.

Numa análise destas células, a equipa liderada pelo também Professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa descobriu que podem ser divididas em dois grupos: as que promovem a produção de anticorpos para defesa contra infeções por vírus e as associadas à produção de anticorpos envolvidos na defesa contra parasitas e nas alergias.

“A compreensão dos mecanismos de funcionamento destes dois conjuntos de células pode abrir caminho à descoberta de novas terapias para doenças alérgicas, sem afetar a resposta benéfica do sistema imunitário contra infeções”, refere o comunicado.

Saumya Kumar, primeira coautora do artigo, diz, citada no comunicado, que foram utilizadas “técnicas de biologia computacional para identificar os genes que estão ativos nos linfócitos auxiliares foliculares envolvidos na produção dos dois tipos de anticorpos”.

Acrescenta que, através de “métodos de inteligência artificial”, os investigadores conseguiram “caracterizar os genes que estão associados aos anticorpos envolvidos na resposta contra infeções por vírus ou na defesa contra parasitas e nas alergias”.

Afonso Basto, também primeiro coautor do artigo, adianta que depois foram usadas “técnicas avançadas de microscopia que permitem associar a informação sobre os genes ativos com a localização das células no organismo”, tendo os cientistas descoberto que as células com os genes identificados nos modelos computacionais associadas a infeções por vírus surgem, de facto, quando o organismo é infetado por um vírus.

“Estas descobertas definem novos alvos moleculares que poderão ser usados no desenvolvimento de terapias para regular a produção de anticorpos em doenças como a alergia ou autoimunidade. Potencialmente, poderão permitir diminuir a produção de anticorpos associada a estas doenças sem reduzir a capacidade de produzir anticorpos críticos” para combater infeções virais, salienta Luís Graça.

“É como se até agora todas estas células estivessem dentro de um saco negro e, quando a resposta imunitária mediada por anticorpos estava alterada, não sabíamos o que acontecia dentro desse saco. Este trabalho coloca estas células à vista e permite-nos começar a saber como controlar a resposta de cada grupo de células de forma independente”, acrescenta.

Participaram no trabalho especialistas em medicina, biologia e ciências computacionais, também do Instituto Gulbenkian de Ciência, do CIISA – Centro de Investigação Interdisciplinar em Sanidade Animal e do Laboratório Associado para Ciência Animal e Veterinária (AL4AnimalS), além dos de centros de investigação em Itália, Reino Unido, França e Brasil.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights