Demissão de Fernando Araújo, plano para a saúde e INEM levam hoje ministra ao parlamento

5 de Junho 2024

A ministra da Saúde vai hoje ao parlamento prestar esclarecimentos sobre a demissão do anterior diretor executivo do Serviço Nacional de Saúde, o plano de emergência para o setor e a situação do INEM.

Estas são das algumas matérias que têm marcado os primeiros dois meses de funções de Ana Paula Martins e que motivaram pedidos de audição na Comissão de Saúde por parte das bancadas parlamentares do PS, do Chega e do PSD.

Os socialistas pretendem ouvir a ministra sobre a demissão apresentada por Fernando Araújo no final de abril, depois de liderar a comissão executiva do Serviço Nacional de Saúde durante cerca de 15 meses, alegando que não queria ser um obstáculo ao Governo nas políticas e nas medidas que considerasse necessárias implementar.

O médico já foi também ouvido pelos deputados em 22 de maio, no mesmo dia em que o Ministério da Saúde anunciou que o médico António Gandra d’Almeida tinha sido o escolhido para coordenar este órgão que tem a função de gerir em rede as várias unidades que compõem o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Ana Paula Martins vai ainda explicar aos deputados o recente plano de emergência para a Saúde, aprovado pelo Governo na última semana, e que é composto por 54 medidas urgentes, prioritárias e estruturais divididas por cinco eixos.

Na apresentação do documento, o primeiro-ministro anunciou que o plano pretende esgotar os recursos do SNS até ao limite, mas contando também com os setores social e privado, de forma complementar, para melhorar a resposta de cuidados aos utentes.

Luís Montenegro afirmou que, como este conjunto de medidas, o Governo não pretende “vender a ilusão” que as dificuldades do SNS se vão resolver rapidamente, alegando que o setor enfrenta problemas “profundos e estruturais” acumulados ao longo de anos.

A situação financeira e operacional do INEM será ainda explicada por Ana Paula Martins, numa audição a pedido do Chega que vai decorrer no dia seguinte ao presidente do instituto ter admitido que a degradação do serviço “é inegável” e defendido a necessidade de um reforço orçamental.

Na Comissão de Saúde, Luís Meira garantiu que não está “agarrado ao lugar” e que, se a ministra da Saúde entender demiti-lo, deixa as funções “sem qualquer problema”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Luís Meira diz que Força Aérea não tinha meios para ajudar INEM

O presidente demissionário do INEM revelou hoje que quando o instituto foi forçado a reduzir o serviço de helicópteros durante a noite, no início do ano, contactou a Força Aérea, que disse não ter meios para poder garantir a resposta necessária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights