Sindicato Independente dos Médicos sinaliza áreas prioritárias

6 de Junho 2024

Aumento salarial de 15%, 35 horas de trabalho semanais, 12 horas em serviço de urgência e obrigatoriedade de médico próprio em lares de idosos são algumas das prioridades do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), que, em nota enviada à imprensa, elenca mais de uma dezena de medidas para a valorização do trabalho.

Além do aumento salarial de 15%, de forma a completar o valor já acordado para as remunerações base da carreira médica, das 35 horas de trabalho semanais, em igualdade com a restante função pública, e das 12 horas em serviço de urgência, que permitem ter mais tempo para consultas e cirurgias, as áreas prioritárias para a valorização do trabalho e do desenvolvimento profissional dos médicos do SNS são: progressão na carreira médica (revisão total e implementação efetiva do SIADAP); acréscimo de 1 dia de férias por cada 10 anos de serviço (contagem de todo o tempo de trabalho efetivo); “SIGIC”, ou seja, produção adicional, para consultas hospitalares; criação de CRI em número, recursos e com condições remuneratórias próprias, sendo a adesão voluntária; Fundo de Formação para Médicos Internos (“cursos obrigatórios não devem continuar a ser pagos pelos próprios médicos”); valorização dos orientadores de formação (suplemento remuneratório para todos os médicos orientadores); desempenho de direção e chefia (revisão e implementação dos suplementos remuneratórios); atualização do suplemento de Autoridade de Saúde; nos centros de saúde, carteiras adicionais de serviços, voluntárias, para atendimento a utentes sem médico de família e utentes esporádicos, com pagamento por consulta; generalização dos Centros de Avaliação Médica e Psicológica, nomeadamente para atestados médicos para carta de condução; obrigatoriedade de médico próprio em lares de idosos; Acordo Coletivo de Empregador Público no INEM; e efetivação dos concursos para os médicos civis do Ministério da Defesa.

O SIM reforça que é “essencial proporcionar condições de trabalho dignas, com uma remuneração justa, real progressão na carreira e os devidos tempos de descanso” e é “urgente acabar com o subfinanciamento crónico no SNS e criar as condições para a fixação dos Médicos”.

HN/RA

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Luís Meira diz que Força Aérea não tinha meios para ajudar INEM

O presidente demissionário do INEM revelou hoje que quando o instituto foi forçado a reduzir o serviço de helicópteros durante a noite, no início do ano, contactou a Força Aérea, que disse não ter meios para poder garantir a resposta necessária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights