“Temos lideranças fracas” nos hospitais, diz ministra da Saúde

12 de Junho 2024

A ministra da Saúde afirmou esta quarta-feira que existem "lideranças fracas" nos hospitais e serviços de urgência. Ana Paula Martins garantiu que irá ser criada uma comissão de acompanhamento e de auditoria aos conselhos de administração.

No âmbito da audição sobre o Plano de Emergência para o SNS, requerida pelo PSD, CH e PS, a ministra da saúde defendeu que as unidades de cuidados hospitalares precisam de “lideranças mobilizadoras e que sejam capazes  de atrais os jovens profissionais”.

Em resposta às questões colocadas na audição, Ana Paula Martins disse: “Há muita coisa que nós temos e que quero dizer de uma maneira frontal. Temos lideranças fracas. Precisamos de lideranças, à frente dos hospitais e dos serviços, que sejam mobilizadoras e que sejam capazes  de atrair os jovens profissionais. Não é isso o que acontece. Nós não tratamos bem as pessoas na administração pública.”

De acordo com a ministra da Saúde, os departamentos de recursos humanos “levam, muitas vezes, meses para responder a um médico, a um farmacêutico e a um enfermeiro… Isto não é aceitável”, afirma.

Ao reconhecer que existem inúmeras dificuldades e constrangimentos relacionados com a retenção de talento no SNS, a responsável pela pasta da Saúde anunciou que, no âmbito das medidas de eficiência, irá ser criada uma comissão de acompanhamento e de auditoria aos conselhos de administração.

“Não é, de maneira nenhuma, hostilizar, é, bem pelo contrário, apoiá-los e ajudá-los a cumprir a sua missão”, disse.

“Temos um hospital, não vou dizer qual, que em janeiro já tinha todos os médicos pediatras a entregarem a recusa de trabalho suplementar acima das 150 horas. E não se fez nada? Achou-se normal que isto acontecesse? Isto são bons líders? Não, não são. E como não são tem que haver escrutínio. Tem que haver avaliação de desempenho para os nossos gestores. Os que são bons têm que ficar e ser recompensados. Não me basta que os administradores digam que não têm condições”, refutou.

A ministra esteve hoje presente no Parlamento para responder a questões sobre o Plano de Emergência para o SNS.

HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights