Avanços na Biologia estimulam novas abordagens terapêuticas com probióticos

13 de Junho 2024

A modulação dos ecossistemas microbianos pode ser a chave para encontrar novas soluções para alguns dos principais desafios mundiais da saúde. O potencial terapêutico dos probióticos para doenças como a obesidade, problemas de fertilidade, fadiga e infeções, tem apresentado resultados promissores

A investigação sobre a microbiota humana e os probióticos tem feito progressos notáveis, impulsionada por avanços tecnológicos na biologia. A nutricionista Filipa Horta destaca que os probióticos estão cada vez mais integrados em abordagens terapêuticas personalizadas, devido à sua capacidade de modular a microbiota humana de maneira específica. Isso permite a personalização de tratamentos para melhorar a saúde intestinal e extraintestinal, conforme as necessidades individuais.

“Os avanços científicos na compreensão das interações entre a microbiota e o organismo humano permitem isolar estirpes específicas de probióticos com benefícios comprovados. O potencial terapêutico para doenças como obesidade, alergias, problemas de fertilidade, fadiga e infeções é vasto e promissor”, afirma Filipa Horta.

A microbiota, composta por microrganismos como micróbios, bactérias e fungos, habita o corpo humano em diversas comunidades únicas a cada pessoa. A microbiota intestinal é a mais predominante, auxiliando na absorção de nutrientes e na prevenção de infeções. A comunicação bidirecional entre o intestino e o cérebro, conhecida como eixo intestino-cérebro, reforça a importância do intestino na saúde geral, sendo frequentemente referido como o “segundo cérebro”.

Relação entre Microbiota e Doenças

Atualmente, 90% das doenças estão de alguma forma relacionadas com a microbiota, aponta Filipa Horta. Desequilíbrios na microbiota foram identificados em várias doenças psiquiátricas, como esquizofrenia, depressão e perturbações obsessivo-compulsivas. As abordagens terapêuticas com probióticos estão a ser investigadas em várias frentes, abrangendo uma ampla gama de doenças e já mostrando evidências científicas robustas.

Os microrganismos mais utilizados como probióticos são bactérias benéficas presentes na microbiota humana ou em produtos lácteos fermentados, como lactobacilos e bifidobactérias, além de leveduras como o Saccharomyces boulardii.

Aplicações Práticas de Probióticos

Distúrbios Digestivos: Saccharomyces boulardii, proveniente da casca da lichia, é eficaz no tratamento e prevenção da diarreia aguda em crianças e adultos, além da diarreia causada por antibióticos. Bifidobacterium longum, estirpe 35624, ajuda a aliviar desconfortos gastrointestinais, como a síndrome do intestino irritável.

Infeções Respiratórias: Espécies como Lactobacillus plantarum, Lactobacillus Rhamnosus GG e Bifidobacterium Lactis demonstraram prevenir infeções respiratórias, reduzindo sua incidência e gravidade. Lactobacillus Rhamnosus GG também pode diminuir o risco de asma e rinite alérgica.

Obesidade: Estirpes de enterobactérias, como Hafnia alvei HA4597, têm a capacidade de produzir proteínas que ativam vias neuronais associadas à saciedade, ajudando no controle do peso e na perda de gordura.

Infeções Urinárias: Lactobacillus rhamnosus LR06 e Lactobacillus plantarum LP02 mostraram eficácia na prevenção de infeções do trato urinário em mulheres, ao reequilibrar a microbiota vaginal.

Stress e Ansiedade: Estudos indicam que a microbiota influencia a regulação emocional através do eixo intestino-cérebro. A suplementação diária com uma combinação de lactobacilos e bifidobactérias pode melhorar o humor e reduzir a ansiedade em pessoas saudáveis.

NR/PR/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights