Estudo da UC avalia presença de vírus e bactérias em macroalgas e halófitas da costa portuguesa

13 de Junho 2024

Universidade de Coimbra destaca segurança de algas e halófitas, mas alerta para cuidados no consumo direto da natureza.

Uma equipa de investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), em colaboração com a Faculdade de Farmácia (FFUC), realizou um estudo pioneiro para avaliar a presença de vírus e bactérias em macroalgas e halófitas da costa continental portuguesa. Este estudo foi motivado pela crescente popularidade destes produtos em novas tendências gastronómicas saudáveis.

Publicado na revista científica Food Control, o estudo teve como objetivo analisar possíveis efeitos adversos decorrentes do consumo de macroalgas e halófitas em Portugal. Foram recolhidas cerca de 50 amostras, desde Vila do Conde até Cascais, para avaliar a presença de Norovirus e Salmonella, patógenos responsáveis por infeções graves e transmissíveis através da ingestão de alimentos contaminados.

“Este estudo mostrou a grande qualidade das águas costeiras portuguesas no que diz respeito à presença de Norovirus e Salmonella em macroalgas. No entanto, a bactéria Salmonella foi detetada numa halófita recolhida numa das praias amostradas, o que realça a importância de a população não apanhar espécimes em meio natural para uso culinário”, destacou Elsa Teresa Rodrigues, investigadora do Departamento de Ciências da Vida (DCV) e do Centro de Ecologia Funcional (CFE), e coordenadora deste estudo.

A investigação revelou que, embora existam poucas informações sobre os perigos microbiológicos em macroalgas e halófitas comestíveis, os métodos normalizados para deteção de Norovírus em vegetais foram aplicados com sucesso a estas amostras. O método NF EN ISO 15216-2 foi validado para 72% das amostras, mostrando-se adequado para macroalgas verdes e vermelhas, bem como para halófitas, mas necessitando de otimização para macroalgas castanhas. A presença de Salmonella foi avaliada em 46 amostras pelo método ISO/FDIS 6579, sendo detetada numa halófita.

Em 2020, a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA) reconheceu o impacto potencial das alterações climáticas na qualidade dos produtos para consumo humano, incluindo a magnitude de doenças alimentares causadas por Norovírus e Salmonella.

O artigo científico “Portuguese macroalgae and halophytes for human consumption: minimal risk of Norovirus and Salmonella infection” pode ser consultado aqui.

NR/PR/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights