BE quer ouvir no parlamento administração demissionária da ULS Viseu Dão-Lafões

15 de Junho 2024

O Bloco de Esquerda (BE) pediu esta sexta-feira uma “audição urgente”, no Parlamento, da administração da Unidade Local de Saúde de Viseu Dão-Lafões (ULSVDL), que se demitiu, na quinta-feira, por “quebra de confiança” política da tutela.

“O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda requer a audição, com caráter de urgência, da administração demissionária da ULS (Unidade Local de Saúde] de Viseu Dão-Lafões”, refere o partido num comunicado subscrito pela deputada Marisa Matias.

O pedido surge na sequência da demissão, na quinta-feira, do conselho de administração da ULSVDL, liderado por Nuno Duarte, e, em causa, acrescenta a nota do BE, “estarão as declarações da ministra da Saúde” em comissão parlamentar, acusando as administrações hospitalares de não conseguirem “manter urgências e outros serviços em pleno funcionamento”.

“Sobre a urgência pediátrica do hospital de Viseu em concreto, que está e permanecerá encerrada no período noturno, a ministra não pode, pura e simplesmente, sacudir a água do capote”, afirma o Bloco de Esquerda.

A administração da ULSVDL ativou em 01 de março o plano de contingência, por falta de médicos, que implicou o encerramento exterior das urgências pediátricas de sexta-feira a domingo no período noturno.

Entretanto, saída de dois médicos e a chegada do período de férias “agravaram” a situação, levando a administração da ULS Viseu Dão-Lafões a encerrar as urgências pediátricas todas as noites da semana, desde 01 de junho, entre as 20:00 e as 08:00.

“Em audição na Comissão Parlamentar de Saúde, o ex-diretor executivo do SNS referiu que tal encerramento não estava planeado. Disse ainda que a ULSVDL enviou ao gabinete da ministra da Saúde o planeamento dos serviços no dia 14 de maio, onde já constava o encerramento desta urgência a partir do dia 01 de junho”, refere o BE.

Mas “mesmo sabendo desse possível encerramento por falta de profissionais, não são conhecidas ações concretas do Governo para assegurar as escalas e o pleno funcionamento dos serviços”.

“A Administração agora demissionária queixa-se disso mesmo: da falta de recursos, nomeadamente profissionais de saúde, e da falta de autonomia. A ministra, que é a principal responsável pela política de saúde e pelo funcionamento do SNS, não pode saber de possíveis encerramentos e nada fazer, não deve ter conhecimento de carência de profissionais e nada fazer, não pode deixar encerrar e depois atirar as culpas para as unidades de saúde”, sustenta o Bloco.

Perante isto – “o encerramento de uma urgência que não estava previsto, a alegação de falta de recursos e de autonomia, o conhecimento que a ministra já tinha da situação sem que a tenha invertido e a demissão da administração da ULSVDL depois das acusações feitas pela ministra –, torna-se imperativo e urgente ouvir a administração demissionária”, justifica o BE.

O conselho de administração da ULSVDL enviou na quinta-feira uma carta à tutela a pedir a demissão e outra aos profissionais da Unidade a explicar a decisão, sublinhando a “manifesta quebra de confiança política” da ministra da Saúde, Ana Paula Martins, na “atual equipa do órgão de gestão”.

A governante disse, na quarta-feira, na Assembleia da República, que “não é aceitável ter em janeiro hospitais com profissionais já com o valor de horas extra anuais obrigatórias atingido”.

Considerando que as lideranças em saúde são “fracas”, a ministra alegou que “tem de haver escrutínio, tem de haver avaliação de desempenho para os gestores”.

“Não basta que os administradores venham dizer que não têm condições. É preciso perceber de que condições precisam”, sustentou Ana Paula Martins, sublinhando que “nestas unidades, três IPO e 39 ULS [Unidades Locais de Saúde] estão 15 mil milhões de euros de impostos dos portugueses”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights