Projeto do Politécnico de Leiria promove saúde mental dos estudantes

19 de Junho 2024

O Politécnico de Leiria apresentou um projeto que visa a prevenção, a promoção e a intervenção específica da saúde mental dos estudantes, que conta com um financiamento de 382 mil euros até 2026.

O projeto SAPE 2.0, aprovado pela Direção Geral do Ensino Superior até 2026, permitiu reforçar a equipa de psicólogos da instituição, que passou de três para cinco especialistas.

Integrado no Centro de Apoio ao Estudante (CAE), o SAPE 2.0 conta com o apoio de dois assistentes sociais e outros profissionais, que procuram responder às necessidades educativas específicas dos estudantes.

“O CAE, além de abranger a área da saúde mental, vai crescer para abranger a área social e das terapias e reabilitação”, adiantou à Lusa a pró-presidente do Politécnico, Carolina Henriques.

Segundo esta responsável, o reforço dos psicólogos visa aumentar o número de consultas e já contribuiu para que a lista de espera, de cerca de 90 dias, tenha desaparecido nos últimos dois meses.

“Continuaremos com a metodologia Ubuntu como estratégia de acolhimento e de integração. Esta equipa de psicólogos terá também em funcionamento uma consulta aberta para situações não agendadas”, precisou, explicando que esta é uma possibilidade para as emergências pontuais.

O SAPE 2.0 prevê ainda a implementação de grupos de psicodrama e de apoio ‘online’ na área da saúde mental.

“Vamos avançar também com a terapia familiar e uma unidade curricular ‘online’ para acolhimento e integração de novos estudantes. Teremos a consolidação de percursos internos de referenciação, sendo que para nós é a Unidade Local de Saúde da Região de Leiria, nomeadamente o serviço de psiquiatria, que é um aliado fundamental”, destacou Carolina Henriques.

Nas páginas das redes sociais Instagram e Facebook do CAE vão estar publicadas “orientações que conduzam ao bem-estar e a uma melhoria da saúde mental dos estudantes”, garantindo uma intervenção e prevenção no âmbito do digital.

O SAPE 2.0 disponibilizará ainda formações ‘online’ sobre autocuidados em saúde mental, na área da gestão do estudo e do tempo. Será ainda realizado “um levantamento muito claro sobre as situações ou problemas na área da saúde mental dos estudantes”.

A partir dessa avaliação, efetuada através de um questionário a toda a comunidade estudantil no âmbito da saúde mental, o Politécnico poderá delinear mais intervenções ou potenciar alguma atividade.

Carolina Henriques afirmou que “a ansiedade, a depressão e a dificuldade que têm em lidar com a gestão da vida académica e com a sua própria vida pessoal” são alguns dos problemas identificados nos alunos, mas também situações de vulnerabilidade social, que conduzem às situações de vulnerabilidade da saúde mental.

“Por isso, é muito importante ter a presença da área social no Centro de Apoio ao Estudante. Temos estes profissionais a trabalhar em conjunto, com vista a uma melhor resposta ao estudante”, sublinhou.

Frisando que o foco do projeto está nos estudantes, para que “tenham uma vivência saudável e feliz” no ensino superior, a pró-presidente explicou que a equipa do SAPE 2.0 pretende “prevenir e minimizar a evolução das situações”.

Os psicólogos estão disponíveis presencialmente nas cinco escolas do Politécnico de Leiria, apesar do acesso às consultas, que são gratuitas e confidenciais, poder ser em formato ‘online’.

Segundo Carolina Henriques, em média, os três psicólogos realizaram 2.452 consultas.

“Com cinco psicólogos, vamos conseguir dar uma resposta muito maior e não vai ser só em consulta. O nosso foco é conseguir trabalhar na prevenção e na promoção, porque vamos ter menos estudantes a necessitar da consulta”, insistiu.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights