Associação antiaborto entre distinguidos pela Câmara de Coimbra no Dia da Cidade

20 de Junho 2024

A Associação de Defesa e Apoio da Vida (ADAV), que se afirma contra o aborto e a eutanásia, está entre as instituições e pessoas que serão distinguidas pela Câmara de Coimbra no Dia da Cidade, a 04 de julho.

Na reunião do executivo camarário que vai decorrer na sexta-feira, será debatida e votada uma proposta da Câmara de Coimbra para atribuir um total de 17 distinções honoríficas, que serão entregues no Dia da Cidade, a 04 de julho, afirmou hoje o município, em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

Entre as propostas, está a atribuição da Medalha de Mérito Solidariedade Social, grau Ouro, à ADAV Coimbra, instituição fundada em 1998 e que, segundo o município, é uma referência no apoio a “mulheres grávidas e mães em situação de vulnerabilidade social e/ou económica”, tendo acompanhado “mais de 500 famílias no concelho”.

A ADAV Coimbra tem como objetivo “o apoio à família, a defesa e a promoção da vida humana e da dignidade da mulher”, refere a instituição, no seu ‘site’, onde afirma ser apoiante de uma iniciativa europeia que pede a Bruxelas que deixe de financiar “atividades que resultem na destruição de embriões humanos”.

Nos seus estatutos, é referido que é “incompatível” com a qualidade de sócio efetivo a participação em iniciativas que “contrariem frontalmente os fins e valores da associação”, nomeadamente a utilização ou aproveitamento do nome da instituição em campanhas ou manifestações a favor do aborto ou da eutanásia.

O executivo camarário propõe também agraciar o físico Carlos Fiolhais com a Medalha de Ouro da Cidade, “um dos cientistas portugueses mais citados do mundo”, realça a autarquia.

Carlos Fiolhais foi do movimento de cidadãos Somos Coimbra, do qual o atual presidente da Câmara de Coimbra, José Manuel Silva, faz parte, mas abandonou a estrutura em 2020, mostrando-se contra a ideia de uma integração de elementos do movimento numa coligação de partidos, que acabou por concretizar-se (com a coligação Juntos Somos Coimbra).

Outro dos dirigentes do Somos Coimbra que abandonou o movimento na altura foi o fundador da tecnológica Critical Software Gonçalo Quadros, agraciado com a mesma distinção em 2022.

Para além de Carlos Fiolhais, recebem também a Medalha de Ouro da Cidade Maria Regina Rocha, que exerceu a docência durante mais de 30 anos na Escola Secundária José Falcão, “tendo sido a única professora do país com autorização do Ministério de Educação para continuar a lecionar após a idade de reforma”, o músico, pedagogo da guitarra de Coimbra e estudioso da obra de Artur Paredes, Jorge Gomes, a cofundadora da associação de desenvolvimento local CoimbraMaisFuturo Regina Pinto Lopes (a título póstumo) e a delegação de Coimbra da Cruz Vermelha Portuguesa.

O executivo propõe também atribuir a Medalha de Mérito Desportivo, grau Ouro, para Diogo Ribeiro, nadador nascido em Coimbra e que se sagrou campeão mundial nos 50 metros e 100 metros mariposa este ano, no Qatar.

Já no campo cultural, é proposta a atribuição da medalha ao Grupo Folclórico e Etnográfico do Brinca, ao Grupo Folclórico e Etnográfico de Arzila, ao Ateneu de Coimbra e ao JACC – Jazz ao Centro Clube.

A empresa Matobra, dedicada a materiais de construção, irá receber a Medalha de Mérito Empresarial, grau Ouro, e José Reis, proprietário do “carismático” restaurante Cantinho dos Reis, no Terreiro da Erva, irá receber a mesma medalha, mas de grau Prata.

No campo da solidariedade social, serão agraciadas, para além da ADAV, a Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo de Coimbra e a Fundação Sophia.

NR/HN/Lusa

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights