Dia Mundial do Microbioma: Nova Medical School deixa dicas para melhorar a saúde intestinal

23 de Junho 2024

No âmbito do Dia Mundial do Microbioma, que se assinala a 27 de junho, a NOVA Medical School destaca a importância do microbioma para a saúde geral e oferece recomendações […]

No âmbito do Dia Mundial do Microbioma, que se assinala a 27 de junho, a NOVA Medical School destaca a importância do microbioma para a saúde geral e oferece recomendações valiosas para melhorar a saúde intestinal. Conceição Calhau, professora catedrática da instituição e autora do livro “Deixemo-nos de tretas. A ilusão da comida saudável”, reforça o papel crucial do microbioma no desenvolvimento da imunidade e na saúde digestiva.

“O microbioma é um super-herói no nosso organismo. É vital para o desenvolvimento da imunidade, e por isso é muito importante reforçar a boa saúde intestinal”, afirma Conceição Calhau. O grupo de profissionais de Nutrição e Metabolismo da faculdade, coordenado pela professora Calhau, compartilhou várias dicas para fortalecer a saúde intestinal:

  1. Reforçar a Ingestão de Fibra: A fibra serve de alimento para as bactérias benéficas do organismo. Alimentos como frutas, hortícolas, cereais integrais e leguminosas são excelentes fontes de fibra. Antes de aumentar a ingestão de fibras, é recomendável consultar um nutricionista para evitar desconforto gastrointestinal.
  2. Probióticos e Alimentos Fermentados: Alimentos como iogurte, kefir e kombucha são ricos em probióticos, que ajudam a manter o equilíbrio da microbiota intestinal. Discutir com um nutricionista qual a melhor solução para a sua condição é essencial.
  3. Evitar Açúcar e Alimentos Ultraprocessados: O consumo excessivo destes alimentos pode desequilibrar a microbiota intestinal, favorecendo o crescimento de bactérias prejudiciais.
  4. Manter a Hidratação: A ingestão adequada de água é crucial para o funcionamento do sistema digestivo e saúde intestinal, ajudando a regularizar o trânsito intestinal e evitar a obstipação.
  5. Vida Ativa e Exercício Físico: O exercício regular melhora a motilidade intestinal e a saúde gastrointestinal em geral.

Além da alimentação e do exercício físico, Conceição Calhau destaca o papel do ciclo do sono e gestão de stresse na saúde da microbiota intestinal e na longevidade. “Há doenças que, ao contrário da obesidade, não se manifestam de uma forma tão visível, sendo fundamental ter cuidados redobrados”, sublinha.

A microbiota intestinal forma-se principalmente nos primeiros anos de vida, sendo influenciada por vários fatores, como o tipo de parto, exposição a antibióticos, tipo de alimentação, stresse, entre outros. Conceição Calhau também desmistifica hábitos populares que não beneficiam a saúde da microbiota, como saltar o pequeno-almoço, receitas detox milagrosas e a privação de hidratos de carbono.

Para assinalar o Dia Mundial do Microbioma, a NOVA Medical School oferece consultas de nutrição a preço reduzido até o dia 28 de junho, com a primeira consulta (incluindo avaliação da composição corporal) a 25 euros.

NR/PR/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights