Lara Cunha, Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-Cirúrgica, Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

Cuidar do “Corpo”: Dignidade e a Importância das Tarefas “Menores” em Enfermagem

07/08/2024

A enfermagem é uma profissão que exige não apenas habilidades técnicas, mas também uma profunda empatia e respeito pela dignidade humana. Num contexto onde a tecnologia e a complexidade dos cuidados de saúde são frequentemente enaltecidas, algumas tarefas essenciais como o auto-cuidado higiene (aka banho), são subestimadas e rotuladas como “menores”. No entanto, essa perceção deturpa a verdadeira essência do cuidado empático e respeitoso, essencial para a prática de enfermagem.

Reconhecer o corpo como uma expressão de existência e perceção amplia nossa compreensão do que significa cuidar e ser cuidado. A corporeidade, ou a vivência do corpo como parte integral da identidade e experiência humana, é um conceito central no cuidado de enfermagem. O corpo é um território sagrado que deve ser tratado com respeito e sensibilidade. Cuidar do “corpo” da pessoa não é simplesmente uma questão de higiene; é uma expressão tangível do cuidado, respeito e valorização do ser humano na sua plenitude. Durante o processo de banho, o enfermeiro não “limpa apenas” o corpo da pessoa: observa, avalia, intervém. Além disso, o banho surge como um momento de conforto e alívio, especialmente para aqueles que estão confinados ao leito hospitalar. A água morna e o toque terapêutico podem proporcionar uma sensação de bem-estar e de dignidade, manifestando a premissa da pessoa-ser mais do que a pessoa-doença.

O respeito à corporeidade envolve também uma compreensão e sensibilidade cultural, reconhecendo que diferentes pessoas têm diferentes perceções e sentimentos sobre o corpo e sobre como este deve ser tratado. Ver o corpo como mais do que materialidade, como algo que sente, percebe e se expressa, implica um resgate do corpo como ser vivo que deve ser escutado, vivenciado e respeitado. No contexto dos cuidados de enfermagem, significa abordar a pessoa como um ser total, com necessidades e uma história de vida. O cuidado ao corpo é, portanto, uma expressão fundamental da missão da enfermagem: cuidar com respeito pela dignidade e existência. Ao valorizar a corporeidade e reconhecer a importância dessas tarefas “menores”, reafirmamos o valor intrínseco do papel do enfermeiro como cuidador não apenas do corpo físico, mas do ser humano na sua plenitude. Esta perspetiva não só enriquece a prática profissional, mas também eleva a dignidade e a qualidade dos cuidados prestados.

A cultura (auto)inculcada de significação de tarefa “menor” reflete uma compreensão superficial do papel do enfermeiro. É fundamental que a formação dos enfermeiros sublinhe a importância destas intervenções. Contudo, é igualmente crucial que os próprios enfermeiros valorizem o seu bem mais precioso: a dimensão humana da profissão.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights