Estudo analisa expansão de embriões após desvitrificação

8 de Julho 2024

Um estudo liderado pelo IVI Valência e apresentado no 40.º Congresso ESHRE, em Amesterdão, analisa a expansão de embriões após a desvitrificação (descongelamento) como um fator preditivo da viabilidade embrionária.

Nos últimos anos, novas abordagens não invasivas que aplicam inteligência artificial (IA) com o objetivo de automatizar a seleção de embriões têm sido exaustivamente estudadas. Esta seleção do embrião é um ponto de viragem nos tratamentos reprodutivos, uma vez que tem uma influência importante no resultado da implantação e subsequente desenvolvimento até se conseguir uma gravidez de termo, explica o comunicado de imprensa.

Existem vários parâmetros que podem ser analisados para a seleção de embriões, e muitos fatores podem influenciar essa escolha. Especificamente, o estudo Predicting fetal heartbeat in vitrified blastocysts through artificial intelligence analysis of post-warming images and videos, liderado pelo IVI Valência, apresentado no 40.º Congresso ESHRE, em Amesterdão, analisa a expansão de embriões após a desvitrificação (descongelamento) como um fator preditivo da viabilidade embrionária.

“Estudámos 800 embriões vitrificados numa incubadora de lapso de tempo durante o período entre a desvitrificação e a transferência, analisando os vídeos e imagens obtidos durante as suas primeiras quatro horas de desenvolvimento. Desta forma, verificámos que, aproximadamente, 60% dos embriões expandem-se após o descongelamento. E, destes, aqueles que apresentam a expansão nos primeiros minutos após o descongelamento estão, geralmente, associados a melhores resultados após a transferência”, revela Marcos Meseguer, supervisor científico do IVI e autor do estudo apresentado no congresso da ESHRE, que decorre entre os dias 7 e 10 de julho, em Amesterdão, nos Países Baixos.

No entanto, alguns embriões expandem-se um pouco mais tarde e apresentam dois tipos de expansão: mais suaves ou mais fortes. “Quando o embrião se expande tardia e ligeiramente, observámos que as hipóteses de gravidez diminuem em 5%. Mas se a expansão for mais forte, a probabilidade de conduzir a uma gravidez diminui em mais de 15%. Em suma, a expansão embrionária mais tardia, suave ou forte, tem um impacto negativo no processo de implantação, uma vez que compromete a viabilidade do embrião”, acrescenta Meseguer, citado em comunicado.

Este é um estudo pioneiro que vai mais longe na análise do embrião e do seu regresso à vida utilizando o sistema time-lapse. Além disso, segundo o comunicado de imprensa, oferece informações novas e relevantes para a identificação de parâmetros específicos que permitem a criação de um programa fiável e robusto para a seleção de embriões transferidos.

“A vitrificação tem vindo a consolidar-se como uma técnica ‘gold-standard’ para a criopreservação de embriões em qualquer centro de reprodução assistida, o que impulsionou a necessidade de desenvolver critérios de seleção mais precisos e otimizados para a transferência de embriões vitrificados. Assim, os resultados deste estudo sugerem que a combinação de variáveis morfocinéticas e proteómicas, juntamente com a avaliação morfológica convencional, pode melhorar significativamente a predição de resultados de transferência de embriões desviados”, conclui Samuel Ribeiro, diretor do IVI Lisboa.

PR/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights