Bielorrússia está a privar crítico de Lukashenko de medicamentos na prisão

11 de Julho 2024

A mulher de um laureado com o Prémio Nobel da Paz bielorrusso denunciou hoje que as autoridades do país estão a privar o marido de medicamentos à medida que o seu estado de saúde piora.

O ativista pró-democracia Ales Bialiatski, de 61 anos, vencedor do Prémio Nobel da Paz em 2022, está a cumprir uma pena de 10 anos de prisão. Segundo a família, sofre de várias doenças crónicas graves que se agravaram durante os três anos em que esteve preso.

A família tem tentado fornecer-lhe medicamentos, mas as autoridades bielorrussas recusam-se a entregá-los, disse a sua mulher, Natalia Pinchuk, à agência noticiosa Associated Press (/AP).

O Ministério do Interior bielorrusso não respondeu a um pedido de informação da AP.

Bialiatski foi detido na sequência dos protestos em massa que eclodiram após as eleições de 2020, dando ao Presidente Alexander Lukashenko um sexto mandato.

A eleição foi amplamente considerada fraudulenta pelos líderes ocidentais e por muitos bielorrussos, desencadeando protestos em massa na nação da Europa Oriental.

Lukashenko, um aliado de longa data do Presidente russo, Vladimir Putin, apoiou a invasão da Ucrânia pela Rússia e governa o país com mão de ferro desde 1994.

Durante os protestos de 2020, os maiores da história da Bielorrússia, mais de 35.000 pessoas foram detidas e milhares foram espancadas pela polícia. A repressão da dissidência continua quatro anos depois.

Bialiatski foi galardoado com o Prémio Nobel da Paz em 2022, mas isso não levou a uma melhoria das suas condições de detenção.

Em março de 2023, um tribunal considerou Bialiatski e três dos seus colegas do Centro de Direitos Humanos de Viasna culpados de contrabando e de financiamento de ações que violam a ordem pública.

Segundo o Viasna, há 1.405 presos políticos atrás das grades na Bielorrússia.

Os ativistas dos direitos humanos afirmam que as autoridades bielorrussas estão a criar deliberadamente condições insuportáveis para muitos deles, privando-os de cuidados médicos, de comunicação com os seus entes queridos e de advogados. Pelo menos seis presos políticos já morreram atrás das grades.

Bialiatski está detido numa prisão onde os prisioneiros são espancados e sujeitos a trabalhos forçados, segundo o Viasna. Não está autorizado a receber correspondência de familiares e amigos, nem a telefonar-lhes. Ocasionalmente, os seus apoiantes recebem cartas e postais dele.

“As autoridades criaram condições insuportáveis para Ales na prisão; ele está a ser mantido num vácuo de informação”, disse Pinchuk, acrescentando que as raras cartas que Bialiatski lhe envia deixam claro que ele não está a receber as cartas dela ou de outras pessoas.

Pinchuk disse que Bialiatski tinha sido anteriormente mantido em confinamento solitário e agora é forçado a realizar trabalhos forçados. É frequentemente punido com a colocação numa cela de castigo durante vários dias, disse, acrescentando que o marido passa por “todos os círculos do inferno por que passam milhares de presos políticos bielorrussos na prisão”.

No início do mês, Lukashenko anunciou uma amnistia para os doentes graves, libertando 18 presos políticos, incluindo Ryhor Kastusiou, que sofre de uma forma grave de cancro.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights