Próxima semana encerram as candidaturas aos Prémios da IHF de 2022

Próxima semana encerram as candidaturas aos Prémios da IHF de 2022

Os prémios da Federação Internacional dos Hospitais (IHF) visam reconhecer “boas práticas e projetos excecionais e inovadores de hospitais e prestadores de serviços de saúde em todo o mundo.”

A iniciativa, que se destina exclusivamente aos sócios institucionais da APDH, conta com sete categorias: Dr. Kwang Tae Kim Grand Hospital Award; Seddiqi Holding Excellence Award for Corporate Social Responsibility; Ashikaga-Nikken Excellence Award for Green Hospitals; Sultanate of Oman Excellence Award for Health Services During Crisis; American Hospital Association Excellence Award for Healthcare Workers’ Wellbeing; American College of Healthcare Executives Excellence Award for Leadership and Management  e Austco Excellence Award for Quality and Patient Safety.

As candidaturas deverão ser submetidas em inglês através de uma plataforma, até ao dia 30 de junho de 2022.

Os vencedores dos Prémios serão anunciados no 45.º Congresso Mundial dos Hospitais, a decorrer de 9 a 11 de novembro de 2022, no Dubai, EAU.

PR/HN/Vaishaly Camões

APDP anuncia inscrições ao Programa de Liderança em Diabetes

APDP anuncia inscrições ao Programa de Liderança em Diabetes

A iniciativa tem como objetivo principal “a capacitação de jovens adultos para desempenharem funções de destaque na sociedade”. O programa dirigido a jovens adultos entre os 18 e os 30 anos prevê a formação em áreas como: gestão de redes sociais, advocacia política, contactos com jornalistas e modelos de liderança.

De acordo com a APDP, “ as sessões de trabalho serão dinâmicas e com vários temas”, contando com “ um leque de formadores das mais diversas áreas, incluindo ainda pessoas com diabetes que frequentaram os programas de liderança europeus e mundiais da Federação Internacional da Diabetes.”

“Precisamos de empoderar para a liderança! O objetivo é que os jovens participantes se sintam capazes de defender os seus pares e que conheçam as ferramentas que lhes permitem advogar pela causa das pessoas com diabetes, estando à vontade para, por exemplo, gerir campanhas de comunicação social e falar com jornalistas, tudo isto enquanto é fomentada a vontade de se tornarem líderes, que tanta falta nos fazem, nesta área da saúde”, remata João Valente Nabais, da Comissão Organizadora desta iniciativa.

O programa será realizado entre os dias 3 e 7 de setembro de 2022, na Pousada da Juventude de Évora.

Termina no dia 30 de junho o prazo para realizar a inscrição.

PR/HN/Vaishaly Camões

Associação lança manifesto para tornar o cancro da próstata uma prioridade

Associação lança manifesto para tornar o cancro da próstata uma prioridade

O manifesto “Vamos tornar o cancro da próstata uma prioridade em saúde em Portugal!” quer aumentar a sensibilização da população e dos políticos para a gravidade da doença. A APDPróstata quer que a iniciativa permita “agilizar a concretização de medidas mais assertivas no combate à doença”.

“Uma das principais razões pelas quais a nossa associação existe é para chamar a atenção dos homens para começarem cedo a tomar conta da sua próstata”, afirma Joaquim Domingos, presidente da associação.

A APDPróstata defende que as iniciativas em prol do cancro da próstata não devem ficar circunscritas ao mês de novembro (por ocasião do “Movember”) e que esta doença deve assumir “a mesma relevância na agenda política que outras doenças oncológicas, como é o caso do cancro da mama, do pulmão ou colorretal.”

O manifesto faz vários apelos à ação em domínios como a organização do sistema de saúde, o acesso atempado e equitativo aos cuidados de saúde e os comportamentos clínicos face ao diagnóstico e tratamento atempado da doença. Outros dos pilares do manifesto passam por priorizar e sensibilizar para a doença, debater, desenvolver tratamentos inovadores e parcerias, bem como promover a literacia em saúde.

As bases deste manifesto surgiram durante o debate “Um Olhar Informado Sobre o Cancro da Próstata em Portugal”, realizado em outubro de 2021 que juntou vários decisores na área da saúde.

De acordo com os peritos, o cancro da próstata está a ser diagnosticado cada vez mais tarde, havendo estudos que demonstram uma proporção crescente de homens diagnosticados com a doença metastática ou em fase avançada. “Só em 2020, o cancro da próstata foi responsável por mais de 100 mil mortes na Europa”, alerta a APDPróstata.

PR/HN/Vaishaly Camões

Jorge Correia Pinto é o novo presidente da Escola de Medicina da UMinho

Jorge Correia Pinto é o novo presidente da Escola de Medicina da UMinho

Correia Pinto substitui Nuno Sousa no cargo e, no mandato até 2025, tem como vice-presidentes os professores António Salgado (pelouro da Investigação), Cristina Nogueira-Silva (pelouro do Ensino) e Patrício Costa (pelouro de Gestão e Planeamento).

Nascido há 52 anos em Lamego, Jorge Correia-Pinto é professor catedrático na EMUM, diretor do ICVS – Instituto de Investigação em Ciências da Vida e da Saúde da UMinho (cargo que deixará ao presidir a EMUM) e ainda diretor e cofundador do Serviço de Cirurgia Pediátrica do Hospital de Braga.

É licenciado e doutorado em Medicina pela Universidade do Porto, tendo passado pelo Centro Hospitalar de São João. Já proferiu cerca de 300 conferências em diversos países e publicou mais de 200 artigos científicos sobre cirurgia, pediatria, biologia celular e molecular, fisiologia e os sistemas respiratório e cardiovascular. Coordena(ou) vários projetos de investigação financiados e soma 60 distinções.

Realizou mais de quinze mil intervenções cirúrgicas, 750 delas a nível neonatal. Em Portugal, foi pioneiro no procedimento ex utero intra-partum treatment e num programa de cirurgia minimamente invasivo para tratar malformações congénitas no recém-nascido, como a atresia do esófago, hérnia diafragmática congénita, estenose hipertrófica do piloro, atresia duodenal, lobectomia pulmonar e hérnia inguinal.

A cerimónia de tomada de posse decorreu na terça-feira.

PR/HN/VC

Campanha alerta para sinais de escoliose

Campanha alerta para sinais de escoliose

“A prioridade deve ser sempre a deteção precoce da doença e a sensibilização das famílias. Ao ser detetado algum dos principais sinais é crucial procurar ajuda junto do médico assistente para que seja realizado o devido e atempado diagnóstico e, caso se justifique, seja adotado o tratamento adequado precocemente”, explica João Lameiras Campagnolo, ortopedista no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, e coordenador da campanha.

Os especialistas alertam que no caso das crianças e dos adolescentes com antecedentes familiares a urgência é ainda maior.

O objetivo da campanha passa, assim, por “incentivar a realização do diagnóstico precoce, que permite a existência de um melhor acompanhamento e da adoção do melhor tratamento possível”.

A escoliose é a principal deformidade da coluna em crianças e adolescentes. É mais comum a partir dos 10 anos, o que corresponde a uma idade crítica de crescimento, sendo mais frequente no sexo feminino (8 em cada 10 casos dizem respeito a raparigas). Pode ter várias causas, mas na generalidade (70 a 80% dos casos) a causa não é conhecida, designando-se de escoliose idiopática.

Pode afetar 2 a 3% das crianças e jovens, mas são menos de 1% os casos que necessitam de tratamento, que pode incluir, em casos menos graves, o uso de colete de correção ou, em casos mais graves, a cirurgia.

PR/HN/VC

Candidaturas ao Prémio Investir em Saúde terminam dia 30

Candidaturas ao Prémio Investir em Saúde terminam dia 30

A farmacêutica revelou que “a aposta em projetos diferenciadores, com recurso à inovação e à tecnologia é o mote para esta iniciativa.”

“Cientes da importância da tecnologia enquanto vetor de melhores resultados em saúde, o Prémio Investir em Saúde promove a reflexão sobre como dotar e transformar o sistema para rentabilizar ao máximo o seu potencial e colocá-la ao serviço dos doentes”, lê-se no comunicado enviado.

Nesta edição, o Prémio Investir em Saúde pretende, mais uma vez, distinguir as melhores práticas nacionais na área da saúde, nas categorias: Adoção de tecnologia, Organização centrada no doente e Value-Based Healthcare.

O prémio resulta de uma colaboração entre o Grupo Johnson & Johnson, o Jornal de Negócios, a Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares e a Accenture.

As candidaturas devem ser apresentadas até 30 de junho.

PR/HN/Vaishaly Camões