Bayer anuncia abertura de candidaturas ao Prémio Ideias que Mudam o Mundo

Bayer anuncia abertura de candidaturas ao Prémio Ideias que Mudam o Mundo

A iniciativa tem como objetivo “pretende premiar e apoiar três associações que se dediquem à comunidade através de projetos inovadores ligados às áreas da saúde, alimentação e/ou ambiente”.

O primeiro lugar será premiado com vinte mil euros, o segundo lugar com quinze mil euros, e para o terceiro lugar existirá uma menção honrosa, por votação dos colaboradores Bayer, que receberá cinco mil euros. A Associação escolhida para a menção honrosa será uma de cinco destacadas pelo júri.

Os vencedores serão selecionados por um júri composto por: Maria de Belém, jurista e ex-Ministra da Saúde; Helena Canhão, Diretora da Nova Medical School; Adalberto Campos Fernandes, professor da Escola Nacional de Saúde Pública e ex-Ministro da Saúde; Ricardo Baptista Leite, médico e deputado à Assembleia da República e Andrea Goes Acerbi, Responsável pela área de Social Innovation & Corporate Giving da Bayer AG.

O Prémio Ideias que Mudam o Mundo nasceu em 2019 e visa financiar projetos “originais e inovadores” de apoio à comunidade, desenvolvidos por associações de utilidade pública.

As candidaturas estão abertas até 14 de julho de 2022.

PR/HN/Vaishaly Camões

Movimento reforça que perdas de urina, gases e fezes não são normais

Movimento reforça que perdas de urina, gases e fezes não são normais

A propósito da Semana Mundial da Continência, que este ano se assinala entre os dias 20 e 26 de junho, o Movimento pela Continência e Disfunção Pélvica lançou uma campanha sob o mote #ToiletTalkNow. A iniciativa visa promover o debate público sobre a incontinência e a disfunção do pavimento pélvico.

Citada em comunicado, Joana Oliveira, presidente do Movimento pela Continência e Disfunção Pélvica, destaca que “estas patologias têm consequências absolutamente devastadoras para a vida dos afetados. Aliado a isto está ainda o facto de muitas das vezes estes não pedirem ajuda por vergonha”.

A responsável frisa que “estes são problemas que têm cura, mas é crucial procurar ajuda o mais precocemente possível de forma a ser adotado o tratamento mais adequado”.

Em todo o mundo, mais de 400 milhões de pessoas são afetadas por algum tipo de incontinência, sendo que as perturbações urinárias são as mais frequentes.

“Ainda que menos falada, sendo talvez a patologia mais envolta em tabus deste leque, a incontinência fecal, emissão involuntária de gases ou fezes devido a incapacidade do esfíncter anal, é mais comum do que aquilo que se pensa. Apesar de não existirem dados concretos sobre a sua incidência, estima-se que afete até 10% da população adulta”, acrescenta Joana Oliveira.

Criar visibilidade para os problemas associados à imcontinência e disfunção do pavimento pélvico, encorajando o debate público e aberto e a quebra de estigma e tabus associados a estas doenças são assim os principais objetivos do Movimento pela Continência e Disfunção Pélvica.

PR/HN/Vaishaly Camões

Especialistas discutem papel da vacinação contra a gripe na prevenção do risco cardiovascular

Especialistas discutem papel da vacinação contra a gripe na prevenção do risco cardiovascular

O pneumologista Filipe Froes e o cardiologista Carlos Aguiar serão os dinamizadores do simpósio da Sanofi “Vacinar – Riscar o Risco Cardiovascular – mitos e factos”, no âmbito das 15ªs. Jornadas de Prevenção do Risco Cardiovascular em Medicina Familiar.

O evento agendado para este sábado tem como objetivo abordar “papel fundamental da vacinação contra a gripe enquanto promotor de uma vida mais saudável e livre de doença grave a nível cardiovascular, bem como desmistificar e apresentar alguns factos sobre os diferentes tipos de vacinas e a importância da vacinação contra a gripe, como ferramenta de saúde pública.”

O Simpósio acontece dia 25 de junho, a partir das 15h00, no Centro de Congressos Santa Eulália, Albufeira.

PR/HN/Vaishaly Camões

FNAM diz que Governo insiste em “respostas insuficientes” para as urgências

FNAM diz que Governo insiste em “respostas insuficientes” para as urgências

A posição da federação surge um dia após a reunião do Ministério da Saúde com os sindicatos médicos sobre o atual panorama dos serviços de urgência do país. Em comunicado, a FNAM lamenta que “mais uma vez, o Ministério insiste em não querer resolver o problema da falta de médicos no Serviço Nacional de Saúde (SNS).”

Na nota enviada às redações, pode ler-se que “num contexto de maioria absoluta, tendo o Ministro das Finanças reafirmado que não existem constrangimentos financeiros para resolver os problemas do SNS e tendo o Primeiro-Ministro reconhecido que estas falhas nos serviços não são aceitáveis, o Governo continua a não querer avançar com medidas estruturais fundamentais.”

A FNAM critica o facto de o Governo insistir “em medidas avulsas e temporárias”, defendendo que o SNS “precisa de investimento estrutural”.

Entre as exigências dos médicos estão incluidos: a valorização da carreira, a implementação de um estatuto de penosidade e risco acrescido, melhores condições de trabalho, entre outros.

“A posição do Ministério da Saúde, apesar de alguma abertura para debater alguns aspetos estruturais, é incompreensível por continuar a recusar a valorização da carreira médica. É preciso vontade política para valorizar o SNS”, concluem na nota.

PR/HN/Vaishaly Camões

Utilização clínica das células estaminais é o tema em destaque do Congresso Europeu de Medicina Perinatal

Utilização clínica das células estaminais é o tema em destaque do Congresso Europeu de Medicina Perinatal

A diretora médica da Crioestaminal é a responsável pela condução do Simpósio Umbilical Cord Stem Cells: State of the art and new treatments perspectives, durante a 28.ª edição do Congresso Europeu de Medicina Perinatal. O encontro está agendado para esta quinta-feira e terá como tema em destaque a a utilização clínica das células estaminais do cordão umbilical.

No evento que decorre amanhã, Alexandra Machado irá aprofundar o tema da utilização clínica das células estaminais do cordão umbilical, salientando a diversidade de opções terapêuticas e exemplificando casos clínicos ocorridos desde que a possibilidade de criopreservação desta fonte de células estaminais surgiu no país em 2003.

Em comunicado, a Crioestaminal sublinha que a especialista abordará ainda “as possibilidades futuras no âmbito das terapias celulares avançadas, e também os últimos desenvolvimentos em contexto de ensaios clínicos, em doenças como, por exemplo, paralisia cerebral, autismo, diabetes tipo 1, perda auditiva e lesões da espinal medula.”

A companhia líder na área das células estaminais em Portugal salientou que nos últimos anos “a área de ATMPs (Advanced Therapy Medicinal Products) tem sido o foco da investigação pelo que se esperam, nos próximos anos, novidades em relação às aplicações clínicas das células estaminais”.

O Congresso Europeu de Medicina Perinatal junta especialistas com o objetivo de dotar os profissionais de saúde de maior conhecimento científico na área da medicina perinatal.

PR/HN/VC

Prazo para as candidaturas à bolsa de investigação nas áreas das neoplasias de células B maduras termina dia 30 de junho

Prazo para as candidaturas à bolsa de investigação nas áreas das neoplasias de células B maduras termina dia 30 de junho

A iniciativa tem como objetivo “promover a investigação científica e epidemiológica nas áreas das neoplasias de células B maduras”. O melhor projeto de investigação será premiado com uma bolsa de quinze mil euros.

“Todos os investigadores, nacionais ou estrangeiros, que estejam a desenvolver projetos em instituições portuguesas na área de investigação científica e/ou epidemiológica em neoplasias B de células maduras podem candidatar-se à bolsa”, lê-se na nota enviada ao HealthNews.

Os organizadores da iniciativa explicam ainda que “serão valorizados projetos de carácter interdisciplinar e de colaboração entre instituições, com foco no estudo das áreas de tratamento, diagnóstico, epidemiologia, qualidade de vida dos doentes e impacto a nível sociológico.”

As candidaturas devem ser enviadas para o email bolsas@apcl.pt no limite até 30 de junho.

PR/HN/Vaishaly Camões