Tempestades de areia provocam cerca de 500 hospitalizações por asfixia no Iraque

Tempestades de areia provocam cerca de 500 hospitalizações por asfixia no Iraque

“Cerca de 500 pessoas com casos de asfixia em várias áreas do Iraque foram hospitalizadas”, disse um dos porta-vozes do gabinete de informação do Ministério da Saúde iraquiano, Abás Mansur, citado pela agência de notícias espanhola Efe.

Deste total, “90% são casos ligeiros”, acrescentou.

Desde domingo passado, as províncias iraquianas de Bagdade, Al Anbar, Kerbala, Najaf e Saladino, no centro e oeste do país, estão a ser afetadas por tempestades de areia que se tornaram comuns no país nos últimos anos.

Essas tempestades de areia forçaram a interrupção do tráfego aéreo, inclusive no Aeroporto Internacional de Bagdade, devido à baixa visibilidade, avançou hoje a imprensa local.

O Iraque é um país particularmente vulnerável às mudanças climáticas, que se têm multiplicado nos últimos anos.

O Aeroporto Internacional de Bagdade adiantou, em comunicado, que o tráfego aéreo foi interrompido “devido ao mau tempo e a uma baixa visibilidade, de menos de 500 metros”.

Em novembro passado, o Banco Mundial alertou para a possibilidade de o Iraque sofrer uma queda de 20% nos recursos hídricos até 2050 devido às mudanças climáticas.

LUSA/HN

Açores com dois óbitos e 382 novos casos nas últimas 24 horas

Açores com dois óbitos e 382 novos casos nas últimas 24 horas

O número de mortes na região desde o início da pandemia de Covid-19 subiu, assim, para 85, depois da morte de um homem de 73 anos de Rabo de Peixe no hospital do Divino Espírito Santo, em São Miguel, e de outro de 78 anos, da ilha Graciosa, internado no hospital de Santo Espírito, na ilha Terceira.

“Um homem de 73 anos de idade faleceu em São Miguel, no Hospital do Divino Espírito Santo, onde estava internado desde dia 09. Era residente em Rabo de Peixe, concelho da Ribeira Grande. Não estava vacinado”, descreve a Autoridade no boletim diário.

Aquela entidade acrescenta que “outro homem com 78 anos de idade faleceu na Terceira, no Hospital de Santo Espírito, onde estava internado desde dia 12”.

“Era residente na Freguesia da Luz, da Graciosa, concelho de Santa Cruz. Não estava vacinado”, acrescenta.

Entre as 27 pessoas que continuam hospitalizadas, duas estão em cuidados intensivos.

De acordo com a Autoridade de Saúde, há 15 doentes no Hospital do Divino Espírito Santo, em São Miguel (um em cuidados intensivos), seis no Hospital de Santo Espírito da Terceira e seis no Hospital da Horta, no Faial (um em cuidados intensivos).

Os Açores têm, atualmente, 4.691 casos positivos ativos, sendo 3.116 em São Miguel, 709 na Terceira, 269 no Pico, 230 no Faial, 157 em São Jorge, 134 na Graciosa, 31 nas Flores, 27 no Corvo e 18 em Santa Maria.

Quanto aos novos 382 casos, 154 dizem respeito à ilha de São Miguel, 106 à Terceira, 44 ao Pico, 44 ao Faial, 19 à Graciosa, oito ao Corvo, seis às Flores e um a Santa Maria, resultantes de 1.726 análises.

Na ilha de São Miguel, há 90 novas infeções por SARS-CoV-2 em Ponta Delgada, 24 na Ribeira Grande, 21 na Lagoa e 19 em Vila Franca do Campo.

Na Terceira, foram identificados 59 novos casos em Angra do Heroísmo e 47 na Praia da Vitória.

O Pico tem 24 novas infeções na Madalena, 15 nas Lajes e cinco em São Roque.

O Faial identificou 44 casos no concelho da Horta.

Na Graciosa, há 19 novas infeções em Santa Cruz.

As Flores têm quatro novos em Santa Cruz e dois nas Lajes.

Nas últimas 24 horas foram registadas 765 recuperações.

Desde 31 de dezembro de 2020 e até sexta-feira, 210.383 pessoas tinham nos Açores a vacinação primária completa (89,0% da população) e 116.269 tinham já recebido a dose de reforço (49,2%).

A vacinação pediátrica regista 6.551 inoculações referentes à 1.ª dose, o que corresponde a 38,5% de um universo de 17.033 crianças entre os cinco e os 11 anos.

Desde o início da pandemia de Covid-19, o arquipélago identificou 59.755 casos confirmados de infeção por SARS-CoV-2, registando 85 óbitos, 54.638 recuperações e 972.597 testes.

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados em relação à pandemia, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim da Direção-Geral da Saúde.

A Covid-19 provocou pelo menos 5.925.534 de mortos em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 21.001 pessoas e foram contabilizados 3.251.302 casos de infeção, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante no mundo desde que foi detetada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.

LUSA/HN

Açores com 556 novos casos, uma morte e 41 internamentos

Açores com 556 novos casos, uma morte e 41 internamentos

“Nas últimas 24 horas faleceu no Hospital de Santo Espírito da Terceira uma mulher de 88 anos. Era residente no Cabo da Praia, concelho da Praia da Vitória. Estava internada desde o dia 07. Não estava vacinada”, indica aquela entidade.

Desta forma, sobe para 82 o número de óbitos na região devido à infeção por SARS-CoV-2, que provoca a doença Covid-19, desde o início da pandemia.

Nos hospitais da região há hoje menos um doente internado do que na segunda-feira, bem como menos um em cuidados intensivos.

“Hoje estão 41 pessoas internadas, sendo 24 no Hospital do Divino Espírito Santo, em São Miguel (um em cuidados intensivos), 12 no Hospital de Santo Espírito da Terceira (dois em cuidados intensivos) e cinco no Hospital da Horta, no Faial (um em cuidados intensivos)”, descreve a Autoridade de Saúde.

Quanto aos 556 novos casos positivos diagnosticados, 210 dizem respeito à ilha de São Miguel, 186 à Terceira, 71 ao Pico, 50 ao Faial, 23 a São Jorge, sete às Flores, sete a Santa Maria e dois à Graciosa, resultantes de 2.903 análises.

Em São Miguel, foram registados 137 novos casos positivos no concelho de Ponta Delgada, 43 na Ribeira Grande, 22 na Lagoa, quatro no Nordeste, três na Povoação e um em Vila Franca do Campo.

Na Terceira, há 139 novos casos no concelho de Angra do Heroísmo e 47 na Praia da Vitória.

No Pico, foram diagnosticados 25 casos no concelho da Madalena, 24 nas Lajes e 22 em São Roque.

O Faial registou 50 novos casos positivos na Horta.

Em São Jorge, há 18 casos nas Velas e cinco na Calheta.

As Flores têm cinco novos caso no concelho de Santa Cruz e 2 no das Lajes.

Em Santa Maria existem sete novos casos em Vila Porto.

A Graciosa registou dois novos casos positivos no concelho de Santa Cruz.

Nas últimas 24 horas foram registadas 1.793 recuperações.

Os Açores registam presentemente 7.552 casos positivos ativos.

Destes casos ativos, 5.966 estão em São Miguel, 910 na Terceira, 190 no Faial, 185 no Pico, 150 na Graciosa, 116 em São Jorge, 22 em Santa Maria e 13 nas Flores.

Desde 31 de dezembro de 2020 e até sábado, 209.777 pessoas tinham nos Açores a vacinação primária completa (88,7% da população) e 111.786 tinham recebido a dose de reforço (47,3%).

A vacinação pediátrica regista 6.402 inoculações referentes à 1.ª dose, “o que corresponde a 37,6% de um universo de 17.033 crianças entre os 5 e os 11 anos”, acrescenta a Autoridade.

Desde o início da pandemia, os Açores identificaram 56.864 casos positivos, 48.901 recuperações e 82 óbitos, tendo realizado 960.026 testes.

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados em relação à pandemia, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim da Direção-Geral da Saúde.

A Covid-19 provocou pelo menos 5.884.689 milhões de mortos em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 20.866 pessoas e foram contabilizados 3.193.178 casos de infeção, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante no mundo desde que foi detetada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.

LUSA/HN

Israel com o maior número de sempre de pessoas internadas em estado grave

Israel com o maior número de sempre de pessoas internadas em estado grave

Apesar deste dado, a taxa de infeções provocadas pela variante Ómicron, que se propaga rapidamente, está a diminuir progressivamente.

Nos últimos dias, a taxa de transmissibilidade (número médio de pessoas a quem cada pessoa infetada transmite o vírus) tem vindo a diminuir, situando-se agora em 0,88.

De acordo com os dados, citados pela agência de notícias espanhola Efe, estão 1.229 pessoas internadas em estado crítico, enquanto as novas infeções confirmadas durante a última semana atingiram praticamente as 400 mil.

Do início ao fim de novembro de 2021, a vaga de Ómicron infetou mais de dois milhões de israelitas e cerca de 900 pessoas morreram, numa média de uma morte por cada 2.000 casos confirmados, um número mais baixo do que nas ondas anteriores, segundo as autoridades de saúde.

Na sexta-feira, o Governo aprovou medidas para aliviar os requisitos para a exibição do “passe verde” (certificado de vacinação), sendo que a partir de segunda-feira os israelitas deixarão de precisar dele para entrar em ginásios, cinemas ou hotéis.

Atualmente, o “passe verde” é válido para todos os recuperados da Covid-19, para quem tem o esquema vacinal completo nos últimos quatro meses e os que receberam a terceira ou a quarta dose de reforço da vacina contra a Covid-19.

No entanto, este documento continuará a ser necessário para entrar em locais onde possa haver um maior risco de contágio, como salas de eventos ou discotecas.

A Covid-19 provocou pelo menos 5.710.711 de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse, divulgado na sexta-feira.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 20.171 pessoas e foram contabilizados 2.884.540 casos de infeção, segundo dados de hoje da Direção-Geral da Saúde.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante do mundo desde que foi detetada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.

LUSA/HN

Continuam internadas 30 pessoas por consumo de cocaína adulterada na Argentina

Continuam internadas 30 pessoas por consumo de cocaína adulterada na Argentina

“Existem atualmente 30 pessoas hospitalizadas, 10 das quais estão em apoio respiratório mecânico. Além disso, há nove pessoas sob observação”, disse o governo de Buenos Aires, através de uma declaração oficial.

O número de pacientes hospitalizados por ingestão de drogas adulteradas continua a diminuir, uma vez que na última quinta-feira o número chegou a 84 pessoas admitidas de emergências em 12 hospitais, em diferentes partes da província de Buenos Aires.

Segundo o Ministério da Saúde, todos os doentes intoxicados receberam Naloxone, um poderoso medicamento que reverte rapidamente os efeitos da overdose.

Por outro lado, o testemunho de um dos toxicodependentes afetados permitiu às forças policiais estabelecer que a droga apreendida foi comprada nas proximidades de Puerta 8, uma povoação localizada na localidade de Tres de Febrero, em Buenos Aires.

As forças policiais lançaram rapidamente operações envolvendo 1.500 agentes e o próprio ministro provincial da Segurança, Sergio Berni.

Durante as buscas na área, a polícia apreendeu entre 12.600 e 13.600 doses prontas para consumo, embaladas de forma semelhante às compradas pelas vítimas.

Além disso, cerca de uma dúzia de pessoas foi presa por suspeita de fornecer a cocaína adulterada, incluindo um alegado líder da droga chamado Joaquín Aquino, conhecido como “El Paisa”, que era procurado desde 2018.

“Estabilizámos a situação. Poderia ter sido uma tragédia maior”, disse o conselheiro chefe do governo provincial, Carlos Bianco, numa conferência de imprensa.

O sistema judicial continua a realizar os testes necessários para identificar o componente, com o qual a droga foi misturada.

Por seu lado, Berni garantiu aos meios de comunicação locais que, com estas detenções, “a liderança do bando foi desmantelada”.

LUSA/HN