Sociedade Portuguesa de Oftalmologia alerta que melanoma pode aparecer no olho

Sociedade Portuguesa de Oftalmologia alerta que melanoma pode aparecer no olho

A propósito do Dia Europeu do Melanoma, que se assinala no dia 11 de maio, a SPO quis chamar a atenção para a incidência do melanoma da coroideia em adultos com mais de sessenta anos. A organização sublinha que, apesar de raro, este tipo de tumor é responsável por mais de 700 novos casos anualmente em Portugal.

Ana Magriço, médica oftalmologista e secretária-geral da SPO realça “estima-se que a taxa de mortalidade do melanoma da coroideia aos 10 anos seja de 50%, mas na presença de doença metastática, ou seja, quando o tumor já invadiu outros órgãos e sistemas distantes do tumor inicial, este costuma ser fatal, em média, após 6 a 12 meses. O diagnóstico atempado deste tipo de tumor é essencial”.

No que diz respeito ao melanoma dos tecidos que envolvem o olho – a pálpebra e conjuntiva –  este tem fatores de risco semelhantes ao melanoma cutâneo, por isso a sua incidência aumenta com a idade, exposição a raios ultra violeta (UV) natural ou artificial (através de solários), histórico familiar ou em doentes imunodeprimidos.

A SPO aproveitou para reforçar a importância da prevenção através de consultas regulares com o seu médico oftalmologista para a deteção precoce destes tumores, o que aumenta a probabilidade de sobrevida e da preservação do olho e da visão.

PR/HN/Vaishaly Camões

Sociedade Portuguesa de Oftalmologia alerta que melanoma pode aparecer no olho

SPO lança segunda edição da rúbrica “À Conversa com o seu Médico Oftalmologista”

A iniciativa da SPO tem como objetivo promover o debate sobre a a saúde ocular dos portugueses, contando para isso com a participação de médicos oftalmologistas numa conversa de aproximadamente cinco minutos.

“A Sociedade Portuguesa de Oftalmologia continua a reforçar o seu compromisso de querer estar mais perto dos portugueses no que diz respeito à saúde dos seus olhos. A SPO volta a juntar-se à TSF, agora até ao final do ano, com o claro objetivo de transmitir, através dos seus médicos oftalmologistas, informação fidedigna sobre saúde ocular, que será de grande utilidade para o dia a dia da população Portuguesa.”, afirma Rufino Silva, Presidente da SPO.

O projeto tem periodicidade quinzenal. As conversas são também disponibilizadas em podcast.

PR/HN/VC

Glaucoma é a principal causa de cegueira irreversível nos países desenvolvidos

Glaucoma é a principal causa de cegueira irreversível nos países desenvolvidos

Pedro Faria, Coordenador do Grupo Português do Glaucoma da SPO e médico oftalmologista no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, explica que o glaucoma pode desenvolver-se num ou em ambos os olhos. “Inicialmente, o glaucoma não apresenta qualquer sintoma, não provoca dores e a visão não sofre alterações. Mas, à medida que o glaucoma avança sem tratamento, os doentes perdem de forma gradual e irreversível os seus campos visuais. A visão periférica vai-se perdendo e os doentes sentem que começam a ver ‘através de um túnel’. Com o passar do tempo, essa visão central também pode diminuir, até ser atingida a cegueira total”.

Qualquer indivíduo, sobretudo a partir dos 40 anos ou com antecedentes familiares, pode desenvolver glaucoma. Para além disso, são também fatores de risco a raça negra (mais frequente e com casos mais graves), alta miopia e doentes medicados com corticoides.

Apesar de ainda não ter sido descoberta a cura, os tratamentos atualmente disponíveis permitem atrasar ou impedir a progressão desta doença.

O Grupo Português de Glaucoma da SPO vai ter a decorrer no dia 9 de março uma ação de sensibilização, em três centros comerciais do país: Centro Comercial Colombo, Arrábida Shopping e Coimbra Shopping, que visam o esclarecimento sobre esta doença com o apoio de médicos oftalmologistas no local.

Estima-se que mais de 50% das pessoas que sofrem de glaucoma, não saibam que têm esta doença.

PR/HN/Vaishaly Camões

Cancro não diagnosticado nos olhos pode levar à morte, alerta Sociedade Portuguesa de Oftalmologia

Cancro não diagnosticado nos olhos pode levar à morte, alerta Sociedade Portuguesa de Oftalmologia

“São vários os fatores de risco que podem contribuir para o desenvolvimento de lesões tumorais oculares, nomeadamente a genética, o estado imunitário, a cor da pele, a exposição à luz solar e radiação ultra-violeta.” destaca João Pedro Marques, Coordenador do Grupo de Onco-Oftalmologia da SPO.

Segundo o especialista “um diagnóstico precoce e um tratamento adequado podem salvar a visão do olho afetado e, por vezes, salvar a vida do doente”. Os tumores oculares malignos podem ser primários (com origem no próprio olho) ou secundários (isto é, metástases de tumores à distância como, por exemplo, mama ou pulmão).

A Sociedade Portuguesa de Oftalmologia sublinha que na idade pediátrica, o retinoblastoma é o tumor maligno intraocular primário mais frequente, surgindo até aos 5 anos de idade em cerca de 90% dos casos. O reflexo pupilar branco (leucocória) e o estrabismo, são os sinais mais frequentes e, sem tratamento, o retinoblastoma leva à morte entre 2 a 4 anos, por invasão do sistema nervoso central e metastização à distância. Contudo, se identificado e tratado precocemente, a sobrevida é muito elevada (90%).

Já na idade adulta, os tumores malignos intraoculares mais frequentes são o melanoma e as metástases. O melanoma da coroideia pode atingir grandes dimensões, provocar perda da visão e colocar em risco a vida. “Nalguns casos, a metástase ocular pode ser detetada antes do tumor primário, daí a importância de toda a população ter acesso a consultas regulares de Oftalmologia”, afirma João Pedro Marques.

Desde 2015 que o Centro Hospitalar Universitário de Coimbra (CHUC) é Centro de Referência Nacional para o tratamento destes tumores, recebendo e tratando crianças de todo o país e também dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP).

Na próxima sexta-feira se assinala o Dia Mundial de Luta contra o Cancro, sendo por isso que a SPO reforça a mensagem: independentemente do tipo de lesão tumoral, quanto mais precoce for o diagnóstico e o tratamento, maior a probabilidade de cura.

PR/HN/Vaishaly Camões

Sociedade Portuguesa de Oftalmologia alerta para causas da cegueira evitável

Sociedade Portuguesa de Oftalmologia alerta para causas da cegueira evitável

Esta campanha de sensibilização, materializada num vídeo, tem como principal objetivo informar os portugueses para as causas de cegueira evitável, incentivando a prevenção e alertando para um dos problemas visuais mais graves, a DMI – Degenerescência Macular Relacionada com a Idade.

“Cerca de 65 por cento das pessoas com deficiência visual têm 50 anos ou mais e em Portugal temos vindo a assistir a um aumento de casos de baixa visão por degenerescência macular da idade. A DMI é a principal causa de perda de visão acima dos 65 anos. Distorção das imagens, aparecimento de manchas – começa desta forma, que muitas pessoas acham normal devido à idade – mas pode levar à cegueira. A melhor forma de travar a doença é um diagnóstico precoce, por isso é tão importante fazer visitas regulares ao seu Médico Oftalmologista”, explica o Prof. Rufino Silva, presidente da SPO e médico oftalmologista em Coimbra, citado no comunicado de imprensa.

O médico destaca também que “as pessoas devem preocupar-se com um estilo de vida saudável e apostar mais na prevenção – é por isso fundamental divulgar esta informação: a grande maioria das deficiências visuais podem ser evitadas e/ou tratadas”.

As principais causas de cegueira e de perda de visão irreversível, na população portuguesa, são a degenerescência macular da idade, a retinopatia diabética e o glaucoma. A prevenção, o diagnóstico precoce e o tratamento atempado são fundamentais, tornando-se assim possível evitar essa perda de visão, que é muitas vezes irreversível.

“Pelos 40-50 anos, quando surge a presbiopia, deve consultar-se um médico oftalmologista e iniciar o despiste de glaucoma, entre outras patologias. Não é adequado comprar óculos de leitura e não fazer uma observação pelo médico da especialidade. Em idades mais avançadas é obrigatória a observação a cada 1 a 2 anos, para despiste de catarata, glaucoma e degenerescência macular da idade. O envelhecimento da população significa que o risco de desenvolver deficiência visual relacionada com a idade é cada vez maior por isso, nunca é demais fomentar a prevenção e a consulta regular junto de um Médico Oftalmologista”, adverte Lilianne Duarte, médica oftalmologista e investigadora clínica, também citada no comunicado.

A cada cinco segundos um adulto fica cego no mundo, enquanto a cada minuto o mesmo acontece com uma criança. Por isso, os cuidados com a visão devem manter-se ao longo da vida. O Dia Mundial da Visão lembra que as principais causas de cegueira no mundo podem ser prevenidas e/ou tratadas se as populações tiverem acesso a cuidados de saúde adequados.

Para além das enumeradas, são também causas de perda de visão: a miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia – situações que podem ser corrigidas com óculos, lentes de contacto, cirurgia laser ou implante de lentes. Já a catarata pode ser corrigida com elevado sucesso com cirurgia, evitando a progressão até à cegueira.

Nesta altura do ano, com as primeiras semanas de escola, é igualmente importante estar atento às crianças, lê-se no comunicado.

O Rastreio Nacional de Saúde Visual prevê rastreios simples aos dois e aos quatro anos, mas caso estes não tenham ocorrido, devem ser reagendados ou, em alternativa, deve ser realizada uma consulta com um médico oftalmologista. As crianças que não fizeram rastreios nem consultas antes dos seis anos devem realizar uma observação por oftalmologia nesta fase do início das aulas.

O rastreio da retinopatia diabética está implementado a nível nacional e é fundamental para reduzir a perda de visão e a cegueira associadas a esta patologia. Quando não há tratamento atempado, a retinopatia diabética pode terminar em cegueira irreversível.

Este ano, a SPO decidiu lançar uma iniciativa aberta a todos os que gostam de fotografia, como forma de chamar a atenção para o lema da campanha mundial: #loveyoureyes – ama os teus olhos.

Assim, serão pedidas fotografias que retratem olhos de pessoas. Os vencedores terão um prémio na área da fotografia.

Saiba mais sobre esta iniciativa no site da SPO (spoftalmologia.pt) ou da Roche Portugal (www.corporate.roche.pt).

PR/HN/Rita Antunes