Coimbra elogia comportamento dos Covões na pandemia e exige ali a nova maternidade

21 de Março 2021

O presidente da Câmara de Coimbra elogiou hoje o comportamento do Hospital dos Covões na resposta à pandemia provocada pela covid-19 e reiterou a sua aposta para que ali seja instalada a nova maternidade prometida para a cidade e para a região.

“O Hospital dos Covões merece umas quantas referências especiais. Não é por acaso que foi escolhido, na hora de aperto máximo, quando por todo o lado se montavam tendas e hospitais de campanha e soluções provisórias. Percebeu-se que, afinal, o Hospital dos Covões tem préstimo. E foi um dos centros operacionais estratégicos para se controlar a codiv-19 e acompanhar os doentes. A evidência que todo o potencial está lá é enorme”, elogiou Manuel Machado, em declarações à agência Lusa.

O presidente do município lembrou ser necessária uma maternidade “com capacidade de resposta”, garantiu que a localização adequada é mesmo na cerca do Covões e explicou que, pela responsabilidade que tem, no ordenamento do território e no desenvolvimento equilibrado da cidade [a zona em questão é na margem esquerdo do rio Mondego], só pode defender esta ideia.

“Neste teste de stress”, o hospital e os “heróis responderam com prontidão. Está ali o ponto essencial e deve ser aproveitado. As enfermarias estão lá e têm de ser aproveitadas. Se for um edifício novo, não há problema, os terrenos são do Estado, é só construir. Ou recuperar partes do Hospital. Junto aos Hospitais da Universidade ainda é preciso comprar os terrenos”, recordou.

Manuel Machado explicou ainda que a instalação da nova maternidade nos Hospitais da Universidade de Coimbra não é exequível, sobretudo pela lotação do próprio espaço, mas também pela pressão no estacionamento.

O responsável pelo município sublinhou igualmente o contributo de “enorme importância” que as duas maternidades de Coimbra (Bissaya Barreto e Daniel de Matos) deram para a redução da mortalidade infantil.

“O serviço foi feito, servindo Coimbra, a região e o país. O grande contributo que Coimbra deu é exemplo a nível mundial”.

Agora, disse Machado, o Governo tem uma “grande responsabilidade” e tem de agir, ouvindo as partes e analisando aquilo que está delineado no Plano Diretor Municipal.

A ideia de Manuel Machado de colocar a nova maternidade nos Covões advém igualmente na sua estratégia de “casar as duas margens do rio Mondego” e de acabar com alguma sensação de exclusão que os habitantes da margem esquerda sentiam.

“Hoje, a sensação de exclusão que havia pelos moradores da margem esquerda esta ultrapassada”, sublinhou Machado, recordando, por exemplo, a ciclovia já ali existente e que se vai expandir até São Martinho do Bispo – e depois até Montemor-o-Velho e Figueira da Foz, estas duas já obras a cargo da Comunidade Intermunicipal Região de Coimbra.

Manuel Machado falou ainda da contrariedade que a pandemia provocou, não apenas na cidade, mas em toda a região, país e mundo, e alertou que o impacto socioeconómico da covid-19 ainda não está calculado.

“Mas os sinais que temos são encorajadores e, logo que seja possível, logo que chegue a hora H, a cidade vai manifestar toda a sua pujança, potencial e atratividade. Não podemos deixar morrer a esperança”, concluiu.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights