Portugal este sábado com 1.713 casos e 13 mortes

4 de Setembro 2021

Portugal registou 1.713 novas infeções com o vírus da covid-19 e 13 mortes atribuídas à doença nas últimas 24 horas, período em diminui o número de pessoas internadas, segundo os dados oficiais de hoje.

Há hoje 664 pessoas internadas nos hospitais infetadas com o coronavírus SARS-CoV-2 (menos 17 do que na sexta-feira), sendo que 139 estão em unidades de cuidados intensivos (mais três), de acordo com o boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS) que faz o ponto da situação diário da evolução da pandemia da covid-19 em Portugal.

As 1.713 novas infeções no país foram, na sua maioria, registadas na região de Lisboa e Vale do Tejo (630) e Norte (553).

Os 13 óbitos atribuídos à doença ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo (seis), no Algarve (quatro), no Centro (duas) e no Norte (uma).

Dez destas vítimas mortais tinham mais de 80 anos, uma tinha entre 70 e 79 anos e duas tinham entre 60 e 69 anos, segundo os dados da DGS.

Por outro lado, foi no grupo etário entre os 20 e os 29 anos de idade que se registaram mais infeções novas nas últimas 24 horas (mais 371).

Seguem-se os que têm entre 10 e 19 anos de idade (mais 275 infeções confirmadas), o grupo entre 40 e 49 anos (mais 245 infeções confirmadas) e a faixa etária entre os 30 e os 39 (mais 241).

Os casos ativos de infeção em Portugal são agora 42.358, menos 951 do que na sexta-feira, sendo que as autoridades mantêm em vigilância 42.869 contactos, segundo o boletim da DGS deste sábado.

Desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020, já foram confirmadas no país 1.045.857 infeções e 17.785 mortes atribuídas à doença covid-19.

Foi na região de Lisboa e Vale do Tejo que se confirmaram mais casos de infeção e mais óbitos até hoje (405.494 casos e 7.605 mortes), seguindo-se o Norte (402.386 casos e 5.515 mortes).

Na região Centro registaram-se mais 250 infeções nas últimas 24 horas, pelo que o total acumulado é agora 139.518 infeções e 3.102 óbitos.

No Alentejo, confirmaram-se 37.617 casos (77 nas últimas 24 horas) e 77 mortes desde o início da pandemia.

No Algarve, o total acumulado são 40.456 infeções (mais 172 desde sexta-feira) e 442 óbitos.

Nos Açores, o boletim de hoje da DGS registou mais sete infeções, ascendendo os números acumulados a 8.575 casos e 41 mortes.

No caso da Madeira, houve até hoje 11.811 infeções (mais 24 desde sexta-feira) e 72 mortes atribuídas à covid-19, segundo a DGS.

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim da DGS.

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 482.651 homens e 562.469 mulheres, mostram os dados da DGS, segundo os quais há 737 casos de género “desconhecido”, que se encontram sob investigação, uma vez que esta informação não é fornecida de forma automática.

Do total de vítimas mortais, 9.330 eram homens e 8.455 eram mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nos idosos com mais de 80 anos de idade, seguidos da faixa etária entre os 70 e os 79 anos.

Do total de mortes, 11.612 eram pessoas com mais de 80 anos, 3.809 tinham entre 70 e 79 anos e 1.618 tinham entre 60 e 69 anos.

consulte o relatório aqui

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Pedro Von Hafe: “O efeito de tirar as estatinas aos doentes que delas precisam é uma catástrofe”

O alerta é do Professor da Faculdade de Medicina do Porto e Internista do Hospital de São João. Em conversa com Jorge Polónia, professor catedrático de Medicina Interna da Faculdade de Medicina do Porto, Pedro Von Hafe fez questão de desmistificar alguns dos mitos associados à intolerância às estatinas, afirmando que o efeito nocebo é um problema que vive “todos os dias” na prática clínica. “Está provado que há uma mortalidade acrescida quando se suspende esta terapêutica”, alerta o internista. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights