O excesso de peso e obesidade pode ser uma predisposição para cansaço físico e também psicológico no sentido de ser uma doença multifactorial e com frequentes complicações associadas como diabetes, anemia, doença cardiovascular e depressão. Torna-se assim importante realizar um correto diagnóstico nutricional e verificar o índice de massa corporal, ou seja, a relação entre o peso em kilos / altura em metro ao quadrado. Se o Índice for superior a 25 será considerado excesso de peso, se for superior a 30 será obesidade, e seguimos adiante para diferentes graus de obesidade. Outra forma de avaliação nutricional poderá ser feita através da medição do perímetro abdominal, que no caso da mulher deve ser inferior a 80 cm e no caso do homem inferior a 94 cm.

Qual a relação entre o cansaço e o excesso de peso?

01/21/2022

[xyz-ips snippet=”Excerpto”]

Qual a relação entre o cansaço e o excesso de peso?

O excesso de peso e obesidade pode ser uma predisposição para cansaço físico e também psicológico no sentido de ser uma doença multifactorial e com frequentes complicações associadas como diabetes, anemia, doença cardiovascular e depressão. Torna-se assim importante realizar um correto diagnóstico nutricional e verificar o índice de massa corporal, ou seja, a relação entre o peso em kilos / altura em metro ao quadrado. Se o Índice for superior a 25 será considerado excesso de peso, se for superior a 30 será obesidade, e seguimos adiante para diferentes graus de obesidade. Outra forma de avaliação nutricional poderá ser feita através da medição do perímetro abdominal, que no caso da mulher deve ser inferior a 80 cm e no caso do homem inferior a 94 cm. Esta medida caracteriza o excesso de gordura corporal, nomeadamente visceral, que se correlaciona positivamente com o risco de doença cardiovascular.

A obesidade deve ser tratada clinicamente pelas diferentes áreas como endocrinologia, nutrição, psicologia, prescritor de exercício e cirurgia.

Em termos nutricionais deve ser prescrito e reavaliado com periodicidade, um plano alimentar e de mudança comportamental com redução das calorias diárias e sempre adaptado ao individuo de acordo com o seu estado clínico e aspetos pessoais respeitando cultura, religião, preferências alimentares, etc.

A prática de atividade física regular moderada também pode prevenir ou tratar o cansaço quer em indivíduos com excesso de peso quer em indivíduos com peso normal, nomeadamente 30 minutos diários 5 vezes na semana de actividade física moderada ou 1 hora 3 vezes na semana como andar, correr, saltar, nadar, dançar.

Outra causa de cansaço, no que se relaciona com a alimentação, poderá ser défices nutricionais nomeadamente de ferro, magnésio, vitamina D, vitamina C, vitaminas do complexo B e até de macronutrientes como proteína ou hidratos de carbono de qualidade nutricional.

Nesta situação é importante avaliar através de análises clínicas o défice e fazer o suporte nutricional adequado pela alimentação e eventualmente suplementação.

Não menos importante é o horário das refeições, este deve ser regular e adequado ao dia a dia de cada indivíduo e a sua condição e prática de atividade física que pode exigir um ajuste alimentar.

Acrescento ainda a sugestão de o consumo regular de alguns alimentos que considero chave para prevenir ou melhorar o cansaço físico.

Amêndoas, nozes, kiwi, laranja, frutos vermelhos, banana, agrião, espinafres, aveia, peixe rico em ómega 3 como cavala e atum, lentilhas, feijão, sementes de linhaça.

Manter uma hidratação diária adequada é outro elemento essencial para prevenção ou tratamento do cansaço. Mínimo 1.5l por dia sendo que deve ser aumentado para 2 litros para a grande maioria dos casos. Pode ser interessante e útil aromatizar a água com frutos e folhas.

Boas escolhas alimentares e menos cansaço para tod@s.

Inês Sousa, Nutricionista

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Governo quer “articulação virtuosa” entre entidades de saúde

O Governo está a avaliar as atribuições de entidades como a Direção-Executiva do SNS, a DGS e o Infarmed para garantir “uma articulação virtuosa” que consiga diminuir a burocracia e concretizar as políticas de saúde, anunciou hoje a ministra.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights