Seis países africanos vão receber tecnologia para produzir vacinas mRNA

18 de Fevereiro 2022

Egito, Quénia, Nigéria, Senegal, África do Sul e Tunísia são os primeiros seis países que receberão a tecnologia necessária para produzirem vacinas mRNA no continente africano, anunciou esta sexta-feira o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Tedros Adhanom Ghebreyesus fez este anúncio durante a cimeira União Europeia/União Africana (UE/UA), que decorre desde quinta-feira em Bruxelas, numa cerimónia organizada pelo Conselho Europeu, França, África do Sul e OMS, que contou com a presença dos presidentes francês e sul-africano, além do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

O centro global de transferência de tecnologia mRNA foi estabelecido em 2021 para apoiar fabricantes em países de baixo e médio rendimento a produzir as suas próprias vacinas, assegurando que possuem todos os procedimentos operacionais e conhecimento necessários para fabricar vacinas mRNA à escala e de acordo com as normas internacionais.

Criado principalmente para fazer face à emergência da pandemia de Covid-19, o centro tem o potencial de expandir a capacidade de fabrico de outros produtos, colocando os países na liderança, quando se trata dos tipos de vacinas e outros produtos de que necessitam para enfrentar as suas prioridades sanitárias.

Dependendo das infraestruturas, mão-de-obra, investigação clínica e capacidade reguladora existentes, a OMS e parceiros trabalharão com os países beneficiários para desenvolver um roteiro e pôr em prática a formação e apoio necessários para que possam começar a produzir vacinas o mais rapidamente possível.

Para o diretor-geral da OMS, “nenhum outro evento, como a pandemia de covid-19, demonstrou que a dependência de algumas empresas para fornecer bens públicos globais é limitada e perigosa. A médio e longo prazo, a melhor forma de abordar as emergências sanitárias e alcançar uma cobertura sanitária universal é aumentar significativamente a capacidade de todas as regiões fabricarem os produtos de saúde de que necessitam, tendo como principal objetivo o acesso equitativo”.

Por seu lado, o Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, afirmou: “Esta é uma iniciativa que nos permitirá fazer as nossas próprias vacinas e que, para nós, é muito importante”.

Para o Presidente francês, Emmanuel Macron, “a melhoria dos benefícios para a saúde pública, o apoio à soberania sanitária africana e o desenvolvimento económico são os principais objetivos do reforço da produção local em África”.

“Num mundo interligado, precisamos de parcerias mais fortes e novas entre países, parceiros de desenvolvimento e outras partes interessadas para capacitar regiões e países a defenderem-se por si próprios, durante crises, e em tempo de paz”, acrescentou.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, defendeu a criação de “um ambiente onde cada cientista, trabalhador da saúde e governo possam unir-se por uma causa comum”.

“Trabalhando juntos para construir novas soluções para proteger o que é mais precioso – a nossa saúde e as nossas vidas”, frisou.

Para assegurar que todos os países construam a capacidade necessária para produzir as suas próprias vacinas e outras tecnologias de saúde, a OMS tem trabalhado para estabelecer um centro de formação de mão-de-obra que irá formar pessoas de todos os países interessados na investigação científica e clínica e na capacidade de produção, o qual será anunciado nas próximas semanas.

Além disso, as atuais atividades de reforço regulamentar da OMS em países de baixo e médio rendimento irão expandir-se através de uma ferramenta de aferição global que avalia a capacidade dos países para assegurar a qualidade, segurança e eficácia dos produtos de saúde e fornece formação onde são necessárias melhorias para construir autoridades reguladoras que sejam ágeis e adequadas para o futuro.

O centro de transferência de tecnologia mRNA da OMS faz parte de um esforço maior que visa capacitar os países de baixo e médio rendimento a produzir as suas próprias vacinas, medicamentos e diagnósticos para enfrentar emergências de saúde e alcançar uma cobertura de saúde universal.

O esforço inicial centra-se nas tecnologias e biológicas do mRNA, que são importantes para o fabrico de vacinas, mas que também podem ser utilizadas para outros produtos, tais como insulina, para o tratamento da diabetes, medicamentos contra o cancro e, potencialmente, vacinas para outras doenças prioritárias, como a malária, tuberculose e VIH.

O objetivo final é alargar o desenvolvimento da capacidade de produção nacional e regional a todas as tecnologias de saúde.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Projeto liderado pela ESEnfC vence Prémio Erasmus+

O projeto europeu de capacitação para a prática de cuidados de enfermagem multiculturais, “MulticulturalCare”, liderado pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) e com coordenação da professora Ana Paula Monteiro, foi vencedor do Prémio Erasmus+ na categoria de Parcerias de Cooperação no Ensino Superior do ano 2023, foi anunciado na última terça-feira.

Sindepor vai impugnar concurso da ARS Norte

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros (Sindepor) vai “contestar juridicamente a alteração súbita das regras de um concurso destinado à contratação de 61 enfermeiros para a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte”, divulgou hoje o Sindepor.

Número de mortos em esfaqueamento na Austrália sobe para seis

O número de vítimas mortais do esfaqueamento que ocorreu hoje num movimentado centro comercial em Sidney, na Austrália, subiu de cinco para seis, depois de um dos feridos hospitalizados ter sucumbido aos ferimentos, confirmou a polícia australiana.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights