Bastonário português salienta “relação de excelência” com médicos brasileiros

19 de Fevereiro 2022

O bastonário da Ordem dos Médicos enviou uma carta ao Conselho Federal de Medicina (CMF) do Brasil, na qual destaca a “relação de excelência” com os clínicos brasileiros em Portugal, e afasta qualquer “afirmação depreciativa”.

A carta foi partilhada pelo CMF com a Lusa, nesta sexta-feira à noite, em resposta a um pedido de reação às declarações de Miguel Guimarães publicadas há um mês.

O assunto do reconhecimento dos médicos brasileiros regressou à agenda depois de a Lusa ter divulgado, a 16 de janeiro, vários textos sobre os clínicos estrangeiros em Portugal.

Num desses textos, o bastonário da Ordem dos Médicos, falando sobre o modelo de seleção de candidatos estrangeiros a exercer Medicina em Portugal, deu como exemplo o Brasil, com “os piores e os melhores cursos de Medicina”, onde “abrir uma escola médica (…) é muito fácil” e onde “a maior parte dos médicos brasileiros [não está inscrita] na Ordem dos Médicos”.

As declarações motivaram queixas e pedidos de esclarecimento por parte de médicos brasileiros em Portugal, confirmou à Lusa, na altura, uma fonte do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, assinalando que o bastonário referiu “indicações não verdadeiras” sobre os cursos de Medicina no Brasil.

Na sequência das declarações, a Lusa enviou um ’email’ ao CMF, que agora respondeu, comunicando ter recebido “nesta semana uma carta assinada pelo bastonário da Ordem dos Médicos de Portugal”.

Com o “esclarecimento” do assunto, a carta, consultada pela Lusa e disponível no Portal Médico brasileiro, data de 14 de fevereiro.

Na carta, dirigida ao presidente do CFM, Guimarães nega qualquer “afirmação depreciativa” e saúda “todos os médicos brasileiros que durante esta pandemia e perante todas as contrariedades sanitárias, políticas e sociais, souberam fazer das suas competências, conhecimento e elevado sentido de responsabilidade, solidariedade e humanismo, a resposta adequada às necessidades das pessoas em sofrimento, honrando a sua missão de cuidar, tratar e proteger os doentes, salvando milhares de vidas”.

O bastonário reconhece que “é inegável que Portugal tem uma relação de excelência com médicos de muitos países”, entre os quais “se destacam os brasileiros”.

Sublinhando “elevada consideração e respeito” pelo CFM, assinala que “o Brasil é o segundo país com maior representatividade” de médicos estrangeiros em Portugal.

Quem se candidata a exercer Medicina em Portugal tem, no mínimo, um ano civil inteiro pela frente, para cumprir dois requisitos exigidos para a inscrição na Ordem dos Médicos: ver reconhecido o curso/grau por qualquer uma das oito Escolas Médicas portuguesas e demonstrar que sabe comunicar em português.

Para quem venha de fora da União Europeia, o reconhecimento é condicionado pelas entidades que regulam a atividade médica, passando por uma avaliação de conhecimentos académicos, clínicos e linguísticos, assegurados, primeiro, pelas Escolas Médicas portuguesas e, depois, pela Ordem dos Médicos, com uma prova de comunicação médica.

Portugal aprovou, nos últimos três anos, 42,2% dos pedidos de candidatos a médicos oriundos de países estrangeiros, três quartos dos quais brasileiros, segundo dados oficiais.

Na carta enviada ao CMF, Miguel Guimarães explica que, para responder à Lusa sobre a taxa de aprovação dos médicos brasileiros, se socorreu “de muitos dados emanados por instituições brasileiras, que corroboram as preocupações com a assimetria a que se assiste no Brasil (…), que podem justificar que as equivalências não sejam tão elevadas”.

O bastonário enumera uma série de “indicadores” das entidades médicas e educativas do Brasil para sustentar a “assimetria”. Por exemplo, o estudo “Radiografia das Escolas Médicas Brasileiras 2020” “mostrou que 92% das instituições de ensino superior que oferecem vagas para Medicina não cumprem pelo menos um dos três parâmetros considerados essenciais para o funcionamento dos cursos”.

O próprio CFM tem “denunciado que a falta de locais de prática clínica é resultado da abertura desenfreada de escolas médicas nos últimos dez anos”, recorda.

“A taxa de reprovação de perto de 65% destes candidatos junto das universidades portuguesas poderá ser explicada por um conjunto de problemas já identificados pelas instituições brasileiras congéneres, que vão desde a duração do curso, aos programas formativos, passando pela falta de acesso a uma prática clínica suficientemente diversificada e diferenciada. Problemas esses que sei que têm estado empenhados em resolver”, escreve Miguel Guimarães.

“A qualidade da Medicina é um dossiê que não conhece fronteiras ou nacionalidades, e que deve ser uma preocupação de todas as estruturas ligadas à saúde”, conclui, “certo de que” o CMF e a Ordem “estão juntos neste caminho”.

NR/HN/LUSA

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Governo quer “articulação virtuosa” entre entidades de saúde

O Governo está a avaliar as atribuições de entidades como a Direção-Executiva do SNS, a DGS e o Infarmed para garantir “uma articulação virtuosa” que consiga diminuir a burocracia e concretizar as políticas de saúde, anunciou hoje a ministra.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights