Programa de rádio quer vencer tabus sobre sexualidade feminina em Cabo Verde

21 de Fevereiro 2022

Uma jornalista e uma antropóloga cabo-verdianas querem acabar com tabus femininos, como a sexualidade, a libido ou a masturbação, através de um programa de rádio semanal emitido a partir da ilha de São Vicente.

Trata-se de uma ‘parceria’ entre a jornalista Lourdes Fortes e a antropóloga Celeste Fortes, que pretendem, com o programa inédito “O G da Questão”, emitido pela Rádio Morabeza às terças-feiras, desde 15 de fevereiro último, levar ao público assuntos do universo feminino que não são abordados em espaços públicos e ainda tidos como tabu entre as mulheres cabo-verdianas.

“Começámos a falar por causa da nossa libido na maternidade, porque durante o meu pós-parto perdi a minha libido e depois descobri que outras mulheres, inclusive amigas próximas, também passaram por esta situação e eu não sabia. Quando comecei a falar com elas sobre isso, por ser algo que me incomodava, todas se identificaram”, começou por explicar à Lusa Celeste Fortes, sobre a motivação para este programa de rádio.

Contam que o programa, ainda na sua primeira emissão, já começou a receber comentários e até propostas de temas, sobretudo por parte de mulheres.

“Recebemos algumas mensagens, de mulheres essencialmente, e de dois homens, que dizem que já tinham sentido a necessidade de falar destes temas, que normalmente não são tratados, porque quando é para falar da sexualidade, da pornografia e masturbação feminina as próprias mulheres olham para isso com nojo. Que não é o lugar de falar delas porque não foram criadas para isso e nem a educação delas lhes deu essa liberdade para explorar a sua sexualidade e não se reveem nos temas e nesta liberdade”, explicou a jornalista Lourdes ‘Milu’ Fortes, que assegura que o programa irá desmistificar estes argumentos.

Dentro do universo feminino, estas duas profissionais pretendem levantar outras situações pouco abordadas publicamente e mesmo desconhecidas, inclusive das próprias.

“Por exemplo, ficámos a saber que há pessoas aqui que praticam BDSM [Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo], mas quem é que fala disso? Pouca gente fala”, assegura a antropóloga, que garante que a ideia não é de “levantar a bandeira” para determinadas práticas, mas sim “descortiná-las”.

Esta ‘parceria’, explicaram, nasceu “ao acaso”, mas ambas sentem ter sido bem conseguida e garantem que está a ser produtiva. Desta forma, querem que a experiência jornalística de uma se complemente com a de antropóloga, para juntas darem um contributo pessoal e profissional ao programa de rádio.

“A Milu tem feito uma coisa que não combinámos, mas tem sido interessante, que é trazer-me também para a conversa enquanto mulher, antropóloga e feminista. E fazer uma leitura antropológica sobre os assuntos que vamos gravando. Acho que há mais esta contribuição que é ter um olhar de antropóloga que trabalha com questões de género e cutucar tanto a pessoa com quem estamos a conversar, quanto a audiência”, frisou Celeste Fortes.

Questionadas sobre o horário diurno em que o programa é emitido (10:30 e repetição às 16:15 locais), estas não acham ser um problema, uma vez que sublinham pretender usar uma linguagem mais cuidada, porém sem mascarar determinados assuntos.

“Temos um cuidado ao abordar os temas, a linguagem é uma linguagem leve e outra coisa em que temos cuidado é tratar os ‘bois pelos nomes’. Se é sexo, falamos sexo, se é vagina, falamos vagina e masturbação, vamos falar de masturbação e não há pudores em referir aos temas”, garantiu Milu Fortes, enquanto a colega do programa justifica que se se quer descontaminar este universo, é preciso usar os nomes das ações e não criar mais pudores.

Admitem, contudo, que certos assuntos podem enfrentar algumas barreiras na sociedade, por se tratar da sexualidade, mas cujo propósito é de provocar, mostrar e tornar comum, contrariando educações recebidas durante gerações, acerca dos deveres e das proibições sociais.

“A sociedade nunca está preparada para estes assuntos porque a sexualidade feminina existe ainda num espaço sombra. Pode-se falar de sexualidade masculina ou virilidade masculina, mas as mulheres não foram educadas nem preparadas para falarem sobre sexo. É neste ponto que queremos tocar, para mostrar que é natural, que a mulher também tem fantasias e desejos sexuais, apesar da educação que tivemos de que as mulheres devem fechar as pernas, manter a boca fechada”, referiu Milu Fortes.

Assim, são vários os assuntos colocados na agenda do programa, desde as leituras escondidas de romances, no passado, que despertavam o erotismo nas adolescentes, ao próprio corpo da mulher, que em Cabo Verde, afirmam, é ao mesmo tempo “idolatrado” e “muito policiado”.

Garantem que as fontes não se têm negado a abordar os assuntos, por isso projetam diferentes vozes de especialistas e praticantes para discutirem os diferentes temas propostos.

“Para falar do sexo na terceira idade, vamos trazer uma geriatra, violência obstétrica [durante o parto] teremos uma enfermeira, da BDSM trouxemos uma praticante e pretendemos trazer o mestre dela que a introduziu nesta arte. Queremos perceber por que em quase todos os temas há uma parte que é científica e, por exemplo, queremos falar sobre masturbação feminina, vamos falar com mulheres comuns e com uma socióloga”, conta a jornalista.

Propõem falar sobre sexo na gravidez, questões de libido na maternidade, sexo na terceira idade, entre outros temas, com a ideia de que “a rádio cumpre com este papel de desmistificar” estes assuntos, levando à sociedade as diferentes visões de quem estuda e trabalha estas matérias.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Projeto liderado pela ESEnfC vence Prémio Erasmus+

O projeto europeu de capacitação para a prática de cuidados de enfermagem multiculturais, “MulticulturalCare”, liderado pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) e com coordenação da professora Ana Paula Monteiro, foi vencedor do Prémio Erasmus+ na categoria de Parcerias de Cooperação no Ensino Superior do ano 2023, foi anunciado na última terça-feira.

Sindepor vai impugnar concurso da ARS Norte

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros (Sindepor) vai “contestar juridicamente a alteração súbita das regras de um concurso destinado à contratação de 61 enfermeiros para a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte”, divulgou hoje o Sindepor.

Número de mortos em esfaqueamento na Austrália sobe para seis

O número de vítimas mortais do esfaqueamento que ocorreu hoje num movimentado centro comercial em Sidney, na Austrália, subiu de cinco para seis, depois de um dos feridos hospitalizados ter sucumbido aos ferimentos, confirmou a polícia australiana.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights