Porto e Gondomar em projeto de 24ME para atuar junto de comunidades desfavorecidas

6 de Junho 2022

Os municípios do Porto e de Gondomar vão atuar junto das comunidades desfavorecidas e nos territórios com vulnerabilidades, no âmbito de um projeto financiado em 24 milhões de euros pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), foi hoje revelado.

Em declarações aos jornalistas, à margem do Fórum para a Inclusão Social, o vereador da Coesão Social da Câmara do Porto, Fernando Paulo, adiantou que foi apresentada, no âmbito do programa de comunidades desfavorecidas do PRR, uma candidatura conjunta com o município de Gondomar.

“O novo projeto é no âmbito do PRR e quem está a gerir o programa é a Área Metropolitana do Porto (AMP), que convidou os municípios a agregarem-se em consórcio. No caso do Porto fizemos com Gondomar”, disse o vereador, acrescentando que os dois municípios têm já uma “tradição” de trabalho conjunto.

Os dois municípios aguardam, segundo o vereador, que a AMP, juntamente com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-Norte), “abra os avisos de candidatura, uma vez que as grandes linhas de ação já foram apresentadas e o programa foi aprovado”.

“Assinámos o termo de aceitação, estamos a aguardar que abram as candidaturas”, referiu.

Com um financiamento de 24 milhões de euros, que será repartido de igual forma pelos dois municípios, o projeto já aprovado vai incidir “sobre grupos mais vulneráveis”, como as pessoas em condição de sem-abrigo, idosos, crianças e jovens vítimas de maus-tratos ou que cedo abandonaram o ensino.

Em função de um “diagnóstico já realizado”, os dois municípios vão atuar, cimentar medidas e desenvolver ações específicas nos territórios com “maiores vulnerabilidades” que os unem.

Além de ações conjuntas, tanto o Porto, como Gondomar vão desenvolver “ações específicas de cada um dos municípios”.

No caso do Porto, o vereador Fernando Paulo garantiu que, à semelhança do programa AIIA – Abordagem Integrada para a Inclusão Ativa, o projeto vai “olhar para a cidade no seu todo” e abranger diferentes áreas, como a da coesão social, saúde, habitação, emprego e cultura.

“Queremos ter o mesmo enfoque do ponto de vista das necessidades e envolver outros parceiros com experiência e conhecimento na intervenção”, adiantou.

Aos jornalistas, Fernando Paulo destacou ainda que, fruto da pandemia da covid-19 e da guerra na Ucrânia, a “crise social tem-se vindo a agravar” e que tal “convoca e mobiliza” os municípios para desenvolver “medidas e ações que não deixem ninguém para trás”.

“Há a necessidade de criar territórios mais incluídos”, observou, dando também como exemplo a necessidade de dar continuidade ao programa de requalificação dos bairros sociais, não só ao nível do edificado e das áreas exteriores, mas tornando aquelas comunidades “vivas”, concluiu o autarca.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights