Jovem sobrevivente de acidente na Madeira internado em UCI

31 de Julho 2023

O jovem que sobreviveu este domingo ao acidente que provocou dois mortos na Madeira, depois de a viatura ter caído numa ravina no norte da ilha, está internado nos Cuidados Intensivos do hospital da região, confirmou o Serviço de Saúde.

Um carro onde seguiam três jovens, com cerca de 20 anos, caiu, durante a madrugada, num penhasco, na Ribeira da Cruz, na freguesia das Achadas da Cruz, na fronteira entre os concelhos do Porto Moniz e da Calheta, de uma altura superior a cem metros.

Em comunicado, o Serviço Regional de Saúde da Madeira (Sesaram) referiu que o sobrevivente “deu entrada às 12:45 horas, no Serviço de Urgência do Hospital Dr. Nélio Mendonça, onde foram desencadeados todos os procedimentos necessários após intervenção das equipas de EMIR (Equipa Médica de Intervenção Rápida) no local”.

O Sesaram acrescenta que o jovem, gravemente ferido, “teve seguimento para o Serviço de Medicina Intensiva onde se encontra face à situação clínica”.

No documento, o Sesaram endereça “sentidas condolências aos familiares e amigos das duas vítimas [mortais] envolvidas no acidente” e indica que foi ativado o apoio psicológico.

Nas operações de socorro e resgate estiveram envolvidos meios das corporações de bombeiros de S. Vicente e Porto Moniz e da Calheta, apoiados pelo helicóptero do Serviço Regional de Proteção Civil.

O resgate dos corpos das vítimas durou várias horas devido a dificuldades de acesso ao local.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights