Bebé nasce nos Açores a bordo de avião da Força Aérea

16 de Abril 2024

Uma bebé nasceu esta segunda-feira a bordo de um avião da Força Aérea Portuguesa (FAP) no trânsito entre as ilhas de Santa Maria e São Miguel, nos Açores, anunciou o corpo militar.

Segundo a nota de imprensa, às 08:05 dos Açores (09:05 de Lisboa) “uma nova vida nasceu a bordo de um avião da Força Aérea em pleno Oceano Atlântico”.

De acordo com a FAP, o avião C-295M “tinha acabado de descolar da ilha de Santa Maria, em direção a São Miguel, quando uma menina bebé decidiu que era o momento de nascer”.

A tripulação da Esquadra 502 – “Elefantes”, em alerta permanente na ilha Terceira, nos Açores, tinha sido ativada para realizar o transporte de uma grávida de 35 anos e 35 semanas de gestação, com contrações de dois em dois minutos.

“Dez minutos depois de descolar, a bebé nasceu a bordo do avião da Força Aérea, em pleno Oceano Atlântico, quando o relógio batia as 09:05”, refere a FAP.

Este é já o 4.º nascimento a bordo do avião C-295M da FAP desde que entrou em operação em 2009, sendo que, numa das missões, nasceram duas gémeas.

Trata-se do 35.º nascimento a bordo de aeronaves da FAP, tendo o primeiro ocorrido em 13 de julho de 1993, num avião C-212 Aviocar, lê-se na nota.

No primeiro trimestre de 2024, a FAP realizou 126 transportes médicos, “contribuindo para que 183 pessoas recebessem cuidados médicos diferenciados”.

Desses, 113 doentes foram transportados entre ilhas dos Açores, 48 entre ilhas da Madeira, 16 entre os Açores e o continente e quatro entre a Madeira e o continente, especificou a FAP.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights