Turquia liberta milhares de presos, mas exclui jornalistas e ativistas

18 de Abril 2020

A Turquia começou a libertar milhares de presos para descongestionar as suas prisões perante o avanço da pandemia de covid-19, recusando colocar em liberdade vários chefes ligados à máfia e deixar presos jornalistas, políticos e ativistas

Segundo a agência de notícias EFE, a saída “espetacular” do chefe da máfia ultranacionalista Alaattin Çakici da prisão, na quinta-feira em Ancara, escoltado por centenas de automóveis com seguidores, foi criticada na sexta-feira por representantes da oposição e organismos de direitos humanos.

Estes alertaram que o governo conservador islamita do presidente Recep Tayyip Erdogan usa a pandemia como desculpa para libertar da prisão adeptos vinculados com membros do Executivo e seus aliados.

Çakici, de 67 anos, estava na prisão desde 2004 por delitos relacionados com crime organizado e lavagem de dinheiro, mas também tinha sido condenado pela participação no assassínio de 40 pessoas e pelo homicídio da sua própria ex-mulher.

O ex-detido está vinculado ao partido ultranacionalista MHP, aliado do AKP no parlamento.

Outro dos mafiosos libertados foi Erol Evcil, conhecido como o “Rei das Azeitonas” por um império de relacionado com azeitonas que construiu com dinheiro fraudulento.

Foi condenado por lavagem de dinheiro, por crime organizado e por ordenar homicídios.

A nova reforma adotada na passada terça-feira deixou em liberdade condicional todos os detidos que já cumpriram metade da sua pena e impõe prisão domiciliária nos restantes casos, excluindo condenados por terrorismo, assassinato, tráfico de drogas ou abuso sexual.

A intenção do governo é libertar um total de 90.000 presos para reduzir o risco de transmissão do novo coronavírus, depois de estarem confirmados 17 casos em cinco prisões, três dos quais resultaram em mortes.

A medida não inclui também dezenas de deputados do partido esquerdista HDP, jornalistas ou ativistas, todos julgados pela acusação genérica de terrorismo, embora sem relação com delitos violentos, segundo a EFE.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 150 mil mortos e infetou mais de 2,2 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 483 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

AlmadaCare promove cursos para preparar futuros papás

A Clínica AlmadaCare, recentemente inaugurada, está comprometida em apoiar os futuros pais na preparação para a chegada dos seus filhos. É com este objetivo que a clínica promove o workshop “GPS Amamentação”, no dia 19 de abril, e o curso “T.I.M.E. para Nascer”, nos dias 21 e 27 de abril.

Ministra da Saúde solicita relatório sobre mudanças implementadas na área da Saúde

De acordo com o Expresso, a Ministra da Saúde, Ana Paula Martins, emitiu um despacho a solicitar à DE-SNS um relatório detalhado sobre as mudanças implementadas desde o início do mandato de Fernando Araújo. O objetivo é obter informações sobre as recentes alterações levadas a cabo pela DE-SNS e compreender melhor o modelo de Unidade Local de Saúde.

ESEnfC realiza hoje Encontro Anual do Programa de Doutoramento em Enfermagem

Arnaldo Santos e Gabriele Meyer estão hoje na Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC), onde falarão, respetivamente, sobre “Liderar em ciência: processos e dinâmicas de cocriação na era global e digital” (14h30) e “Passado, Presente e Futuro das Ciências de Enfermagem” (15h30).

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights