Mais casos de cancro de pele em doentes tratados com Picato

22 de Abril 2020

Medicamento estava indicado para tratar lesões de pele superficiais resultantes por exemplo de exposição solar crónica ao longo de muitos anos. Autoridades pedem a doentes que usaram medicamento para que se mantenham atentos e procurem assistência médica.

As autoridades concluíram que existe uma maior ocorrência de cancro de pele nas pessoas que usaram o medicamento Picato, que trata algumas lesões de pele, e pedem a estes doentes que se mantenham atentos e procurem assistência médica.

De acordo com o Infarmed, o comité de avaliação do risco em farmacovigilância da Agência Europeia de Medicamento (EMA, na sigla inglesa) terminou a reavaliação do perigo de cancro de pele em doentes tratados com Picato (mebutato de ingenol) e concluiu que o perfil de benefício-risco deste fármaco é negativo.

O medicamento Picato estava indicado para problemas como as queratoses actínicas, que são lesões de pele superficiais que podem surgir sob a forma de uma ou várias lesões escamosas. Estas lesões, que ocorrem mais frequentemente em áreas sujeitas a exposição solar crónica ao longo de muitos anos, são vermelhas ou acastanhadas, algumas vezes com uma superfície escamosa e ásperas ao toque.

A autorização de introdução no mercado do Picato estava revogada, a pedido do titular (a Leo Laboratories) desde Fevereiro passado. As conclusões da EMA “mostraram uma maior ocorrência de cancro de pele, especialmente carcinoma espinocelular, em doentes tratados com Picato comparativamente com Imiquimod, outro medicamento para queratose actínica, confirmando-se também que a eficácia de Picato não se mantém ao longo do tempo”, esclarece o Infarmed.

A Autoridade Nacional do Medicamento e a EMA recomendam que os doentes que usaram Picato se mantenham atentos ao desenvolvimento de lesões na pele e que, caso estas ocorram, procurem assistência médica.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APDI dedica mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII)

A APDI – Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino, colite ulcerosa, doença de Crohn está a dedicar, mais uma vez, o mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII) seguindo as indicações da EFFCA – Federação Europeia das  Associações de Doença de Crohn e Colite Ulcerosa que neste ano de 2024 escolheu como mote “A  DII não tem fronteiras”.

Nuno Jacinto: “A Medicina Geral e Familiar tem um papel central em todos os sistemas de saúde”

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) reforçou a importância da especialidade na promoção da saúde e prevenção da doença. No âmbito do Dia Mundial do Médico de Família, Nuno Jacinto falou ao HealthNews sobre os constragimentos que estes profissionais de saúde enfrentam e dos desafios que os cuidados de saúde primários enfrentam em Portugal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights