ONG Médicos sem Fronteiras ficará sem máscaras dentro de semanas

22 de Abril 2020

Genebra, 22 abr 2020 (Lusa) – A organização não-governamental (ONG) Médicos sem Fronteiras alertou hoje que ficará sem máscaras dentro das próximas semanas, apelando à ONU e aos líderes mundiais para que promovam uma distribuição justa do equipamento de proteção perante a atual pandemia.

Genebra, 22 abr 2020 (Lusa) – A organização não-governamental (ONG) Médicos sem Fronteiras alertou hoje que ficará sem máscaras dentro das próximas semanas, apelando à ONU e aos líderes mundiais para que promovam uma distribuição justa do equipamento de proteção perante a atual pandemia.

“Precisamos de 26 milhões de máscaras para os próximos seis meses, mais de um milhão de máscaras por semana”, disse o diretor-adjunto das operações da Médicos sem Fronteiras (MSF), Kenneth Lavelle, numa conferência de imprensa em Genebra (Suíça).

“Neste momento, temos um ‘stock’ global para cerca de três ou quatro semanas no máximo”, alertou o representante, lamentando a escassez de equipamentos de proteção individual, bem como o aumento dos preços destes itens.

Kenneth Lavelle explicou que a escassez destes produtos já obrigou a MSF a fazer escolhas difíceis sobre as operações de assistência médica e humanitária que desenvolve em todo o mundo, referindo mesmo que algumas das atividades da organização já foram interrompidas por falta de equipamento de proteção.

Segundo um comunicado da MSF, hoje igualmente divulgado, a escassez destes equipamentos de proteção está a dificultar os esforços para conter a propagação da doença covid-19, bem como a diminuir a capacidade de prestar outros serviços médicos considerados como essenciais, como operações cirúrgicas ou o tratamento do sarampo, da tuberculose e de outras doenças infecciosas.

A escassez global de equipamentos de proteção individual está também a colocar em perigo todos os profissionais de saúde e todas as atividades médicas, reforçou o comunicado da MSF.

“A produção de equipamentos deve ser acelerada e deve existir também uma distribuição mais equitativa”, afirmou em Genebra Kenneth Lavelle, apelando à ONU e aos líderes mundiais, nomeadamente aos dos países mais ricos, para que evitem que os mais vulneráveis fiquem sem estes produtos.

De acordo com a MSF, a grande parte do ‘stock’ de máscaras está concentrada em países onde é possível cumprir o confinamento, o distanciamento social e as boas práticas de higiene e de saneamento como medidas preventivas.

No entanto, segundo denuncia a organização, estes equipamentos não estão disponíveis em locais como os campos de refugiados na Grécia, onde constituem uma das únicas opções de proteção.

“Os governos precisam de considerar incentivos para aumentar a produção, reduzir impostos e taxas aduaneiras e localizar a produção em ou perto dos países que mais precisam” destes equipamentos, defendeu Kenneth Lavelle.

A nível global, o novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou cerca de 178 mil mortos e infetou mais de 2,5 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Mais de 583 mil doentes foram considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

OMS lança iniciativa SPECS 2030

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acaba de lançar a iniciativa SPECS 2030, inserida na Global SPECS Network que tem como principal objetivo unir uma rede global de participantes para atingir a meta global do erro refrativo para 2030, que consiste no aumento de 40% na cobertura efetiva desta patologia.

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights