Alemanha ultrapassa os cem mil casos curados

23 de Abril 2020

Berlim, 23 abr 2020 (Lusa) – A Alemanha tem aproximadamente 103.300 pessoas consideradas curadas da covid-19, um aumento de 3.800 em relação ao dia anterior, e um total 148.046 casos de infeção, um valor que subiu 2.352 em 24 horas.

Berlim, 23 abr 2020 (Lusa) – A Alemanha tem aproximadamente 103.300 pessoas consideradas curadas da covid-19, um aumento de 3.800 em relação ao dia anterior, e um total 148.046 casos de infeção, um valor que subiu 2.352 em 24 horas.

Segundo os números avançados pelo Instituto Robert Koch, as vítimas mortais superaram a barreira das 5 mil. Houve um aumento de 215 para 5.094 óbitos.

A Baviera, maior estado federado da Alemanha e o mais afetado, tem agora quase 40 mil casos (39.395) e 1.476 vítimas mortais.

Esta quarta-feira, o Instituto Paul Ehrlich (PEI), entidade responsável pelas vacinas e medicamentos biomédicos da Alemanha, anunciou ter dado luz verde ao primeiro estudo clínico no país para uma vacina contra a covid-19.

A primeira fase dos testes deverá realizar-se a um grupo de 200 pessoas saudáveis, entre os 18 e os 55 anos.

A nível global, segundo um balanço da AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 181 mil mortos e infetou mais de 2,6 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Mais de 593.500 doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 785 pessoas das 21.982 registadas como infetadas, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram, entretanto, a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos, como Dinamarca, Áustria, Espanha ou Alemanha, a aliviar algumas das medidas.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights