Mortes no mundo ultrapassam barreira dos 180 mil entre mais de 2,6 milhões de infetados

23 de Abril 2020

Paris, 22 de abr 2020 (Lusa) – A pandemia do novo coronavírus já matou 181.234 pessoas e infetou mais de 2,6 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP, às 19:00 GMT de hoje, baseado em dados oficiais dos países.

Paris, 22 de abr 2020 (Lusa) – A pandemia do novo coronavírus já matou 181.234 pessoas e infetou mais de 2,6 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP, às 19:00 GMT de hoje, baseado em dados oficiais dos países.

De acordo com os dados recolhidos pela agência noticiosa francesa, até às 19:00 GMT (20:00 de Lisboa) de hoje, 2.602.670 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados em 193 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro passado na província chinesa de Wuhan.

Contudo, a AFP alerta que o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do total real de infeções, já que um grande número de países está a testar apenas os casos que requerem tratamento hospitalar. Entre esses casos, pelo menos 593.800 são hoje considerados curados.

Desde a contagem feita às 19:00 GMT de terça-feira, 5.576 novas mortes e 60.299 novos casos foram registados em todo o mundo.

Os países com mais óbitos são os Estados Unidos, com 1.105 novas mortes, o Reino Unido (759) e a França (544).

Os Estados Unidos, que tiveram a sua primeira morte ligada ao coronavírus no início de fevereiro, são o país mais afetado do mundo em termos de mortes e de casos, com 45.950 óbitos em 835.316 casos.

Pelo menos 76.070 pessoas foram declaradas curadas pelas autoridades de saúde norte-americanas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são a Itália, com 25.085 mortes em 187.327 casos, a Espanha, com 21.717 mortes (208.389 casos), a França, com 21.340 mortes (155.860 casos) e o Reino Unido, com 18.100 mortos (133.495 casos).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia começou no final de dezembro, contabilizou oficialmente um total de 82.788 casos (30 novos entre terça-feira e hoje), incluindo 4.632 mortes (nenhuma nova) e 77.151 recuperações.

A Europa totalizava às 19:00 GMT de hoje 112.855 mortes, para 1.261.757 casos, os Estados Unidos e o Canadá 47.973 mortes (875.112 casos), a Ásia 7.389 mortes (178.630 casos), o Médio Oriente 5.902 mortes (137.642 casos) , a América Latina e no Caribe 5.797 óbitos (116.131 casos), África 1.223 mortes (25.461 casos) e a Oceânia 95 (7.942 casos).

Essa avaliação foi realizada usando dados coletados pelos escritórios da AFP das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em Portugal, já morreram até hoje 785 pessoas, das 21.982 registadas como infetadas, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Portugal é o 16.º país do mundo com mais mortes e infeções.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

OMS lança iniciativa SPECS 2030

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acaba de lançar a iniciativa SPECS 2030, inserida na Global SPECS Network que tem como principal objetivo unir uma rede global de participantes para atingir a meta global do erro refrativo para 2030, que consiste no aumento de 40% na cobertura efetiva desta patologia.

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights