Açores sem novos casos pelo quinto dia seguido

27 de Abril 2020

Ponta Delgada, Açores, 27 abr 2020 (Lusa) - Os Açores não registam hoje, pelo quinto dia consecutivo, novos casos positivos de covid-19, mantendo-se o número total de infetados em 138 e havendo dez mortes a registar.

Ponta Delgada, Açores, 27 abr 2020 (Lusa) – Os Açores não registam hoje, pelo quinto dia consecutivo, novos casos positivos de covid-19, mantendo-se o número total de infetados em 138 e havendo dez mortes a registar.

Em nota à imprensa, a Autoridade de Saúde Regional informa que as 208 análises realizadas nos dois laboratórios de referência da região – em São Miguel e na Terceira – nas últimas 24 horas não revelaram casos positivos de covid-19.

Não obstante, “as medidas de prevenção e contenção da pandemia devem ser mantidas e reforçadas, sempre que possível, por cidadãos e organizações públicas, privadas e do setor social”, prossegue a autoridade.

Até ao momento, já foram detetados nos Açores um total de 138 casos, verificando-se 34 recuperados, dez óbitos e 94 casos positivos ativos para infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença covid-19.

Dos casos ativos, 70 estão em São Miguel, três na ilha Terceira, cinco na Graciosa, dois em São Jorge, nove no Pico e cinco no Faial.

Os dados da Autoridade Regional de Saúde dos Açores têm por vezes sido diferentes dos anunciados para a região pela Direção-Geral da Saúde (DGS), mas a entidade açoriana realça que os números a registar são os seus.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights