Hospital da Prelada no Porto retoma cirurgias “de baixo risco” a 04 de maio

27 de Abril 2020

Porto, 27 abr 2020 (Lusa) – O Hospital da Prelada, no Porto, revelou hoje que vai retomar a 04 de maio as cirurgias “de baixo risco”, prevendo recomeçar as consultas de especialidade na segunda semana daquele mês, a uma média de 90 por dia.

Porto, 27 abr 2020 (Lusa) – O Hospital da Prelada, no Porto, revelou hoje que vai retomar a 04 de maio as cirurgias “de baixo risco”, prevendo recomeçar as consultas de especialidade na segunda semana daquele mês, a uma média de 90 por dia.

Em comunicado, a instituição esclarece que a “retoma da atividade” após a paragem devido à pandemia de covid-19 começa a 04 de maio com “a realização de cirurgias de ambulatório e procedimentos de baixo risco, convocando-se inicialmente todos os doentes cujas cirurgias foram adiadas”.

“Por dia, serão realizadas até 32 intervenções cirúrgicas”, adianta o hospital, esclarecendo que o fim da suspensão da atividade devido à covid-19 será feito “de forma faseada, garantindo a segurança de todos: doentes e profissionais de saúde”.

“Na segunda semana de maio prevê-se a retoma das consultas de especialidade e, por dia, estima-se que serão realizadas até 90 consultas presenciais”, acrescenta.

Quanto às cirurgias, no bloco operatório estarão em funcionamento quatro salas, “com equipas exclusivas para cada sala e número limitado de doentes”.

“As consultas de avaliação pré-operatória, essenciais para a atividade cirúrgica, terão igualmente número limitado de doentes”, observa.

O hospital alerta que “todas estas medidas são dinâmicas e serão atualizadas de acordo com a evolução do estado epidemiológico em Portugal”.

A instituição recorda que “a ativação do plano de contingência covid-19 levou à tomada de medidas excecionais para fazer frente a uma situação de exceção”, pelo que “a atividade programada foi suspensa em meados de março”.

Entretanto, refere, “foi criado um novo serviço de videoconsulta, assegurando a continuidade dos cuidados dos doentes, mesmo à distância”.

Em Portugal, morreram 928 pessoas das 24.027 confirmadas como infetadas, e há 1.357 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram, entretanto, a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos, como Dinamarca, Áustria, Espanha ou Alemanha, a aliviar algumas das medidas.

Portugal cumpre o terceiro período de 15 dias de estado de emergência, iniciado em 19 de março, e o Governo já anunciou a proibição de deslocações entre concelhos no fim de semana prolongado de 01 a 03 de maio.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APDI dedica mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII)

A APDI – Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino, colite ulcerosa, doença de Crohn está a dedicar, mais uma vez, o mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII) seguindo as indicações da EFFCA – Federação Europeia das  Associações de Doença de Crohn e Colite Ulcerosa que neste ano de 2024 escolheu como mote “A  DII não tem fronteiras”.

Nuno Jacinto: “A Medicina Geral e Familiar tem um papel central em todos os sistemas de saúde”

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) reforçou a importância da especialidade na promoção da saúde e prevenção da doença. No âmbito do Dia Mundial do Médico de Família, Nuno Jacinto falou ao HealthNews sobre os constragimentos que estes profissionais de saúde enfrentam e dos desafios que os cuidados de saúde primários enfrentam em Portugal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights