Itália regista ligeiro aumento diário de contágios e mais 382 mortos

29 de Abril 2020

Roma, 28 abr 2020 (Lusa) - A Itália registou 382 mortes e confirmou 2.091 novos casos de contágio com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, um ligeiro aumento em relação a segunda-feira, segundo dados divulgados pela Proteção Civil.

Roma, 28 abr 2020 (Lusa) – A Itália registou 382 mortes e confirmou 2.091 novos casos de contágio com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, um ligeiro aumento em relação a segunda-feira, segundo dados divulgados pela Proteção Civil.

O número total de mortes em Itália associadas à pandemia de covid-19 atingiu as 27.359 e desde o início da emergência 68.941 pessoas já foram curadas, indicam os dados oficiais.

Os casos atualmente positivos de contagiados em Itália pelo novo coronavírus são 105.205, menos 608 do que segunda-feira, de um total de 201.505 casos confirmados até ao momento.

O número de pacientes hospitalizados continua em declínio, sendo atualmente menos de 20.000 em todo o país e os internados em cuidados intensivos são agora 1.863.

A pandemia de covid-19 que já ultrapassou os três milhões de infetados, matou mais de 211 mil pessoas em todo o mundo desde que surgiu em dezembro na China, segundo um balanço da AFP às 11:00 de hoje.

De acordo com os dados da agência de notícias francesa, a partir de dados oficiais, foram registados 211.185 mortos e mais de 3.030.340 infetados em 193 países.

Pelo menos 832 mil pessoas foram consideradas curadas pelas autoridades de saúde.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights