Linhas de apoio a vítimas de violência doméstica receberam 308 pedidos

29 de Abril 2020

Lisboa, 29 abr 2020 (Lusa) – As três linhas de apoio a vítimas de violência doméstica receberam 308 pedidos desde 19 de março e as queixas às polícias por este crime diminuíram 39% em relação ao mesmo período de 2019, revelou hoje o Governo.

Lisboa, 29 abr 2020 (Lusa) – As três linhas de apoio a vítimas de violência doméstica receberam 308 pedidos desde 19 de março e as queixas às polícias por este crime diminuíram 39% em relação ao mesmo período de 2019, revelou hoje o Governo.

“Portugal, ao contrário de outros países europeus, não regista um aumento de participações por violência doméstica. A PSP e a GNR registaram um decréscimo das participações em 39% face ao mesmo período do ano passado, o que nos compromete ainda mais na urgência de dar outras respostas”, disse o secretário de Estado da Saúde.

António Lacerda Sales, que falava aos jornalistas durante a conferência de imprensa diária de acompanhamento da pandemia de covid-19 em Portugal, deu conta que uma das preocupações do Governo” é a violência doméstica, que “não pode ficar esquecida em tempos de covid-19”.

Nesse sentido, afirmou que a Secretaria de Estado para a Cidadania e a Igualdade, em parceria com o Ministério da Saúde, através do INEM, está a desenvolver, desde o início de março, um plano de contingência de prevenção e de combate à violência doméstica em contexto de covid-19.

Segundo o secretário de Estado, foi criada uma nova linha de atendimento por SMS, com o número 3060, que desde a entrada em funcionamento, a 27 de março, já recebeu 123 pedidos de apoio.

O governante explicou que esta linha é gratuita e não permite a identificação dos contactos pelo agressor, presta informações, apoia e encaminha as vítimas em caso de elevado perigo, aciona as forças de segurança, para verificação imediata das situações no local.

António Sales frisou que se mantém também ativa a linha telefónica de apoio a vítimas de violência doméstica (800 202 148), bem como um correio eletrónio (email.violencia.covid@sig.gov.pt)

“No total estas linhas receberam desde o dia 19 de março 308 pedidos”, precisou.

O secretário de Estado disse igualmente que a rede de casa de abrigo e de acolhimento de emergência têm estado em funcionamento e respeitam as regras de isolamento e distanciamento social, além de terem sido contratualizados mais duas casas de abrigo com mais 100 vagas

De acordo com o governante, estas casas já acolherem 50 vítimas entre 06 e 27 de abril.

Portugal contabiliza 973 mortos associados à covid-19 em 24.505 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado hoje.

O país vai terminar no sábado, 02 de maio, o terceiro período de 15 dias de estado de emergência, iniciado em 19 de março, e o Governo deverá anunciar na quinta-feira as medidas para continuar a combater a pandemia.

Devido ao fim de semana prolongado, o Governo decretou, entretanto, a proibição de deslocações entre concelhos de 01 a 03 de maio.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Ministra da Saúde solicita relatório sobre mudanças implementadas na área da Saúde

De acordo com o Expresso, a Ministra da Saúde, Ana Paula Martins, emitiu um despacho a solicitar à DE-SNS um relatório detalhado sobre as mudanças implementadas desde o início do mandato de Fernando Araújo. O objetivo é obter informações sobre as recentes alterações levadas a cabo pela DE-SNS e compreender melhor o modelo de Unidade Local de Saúde.

ESEnfC realiza hoje Encontro Anual do Programa de Doutoramento em Enfermagem

Arnaldo Santos e Gabriele Meyer estão hoje na Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC), onde falarão, respetivamente, sobre “Liderar em ciência: processos e dinâmicas de cocriação na era global e digital” (14h30) e “Passado, Presente e Futuro das Ciências de Enfermagem” (15h30).

“Temos de atuar agora” foi a principal mensagem do 6.º Congresso CNC

O que nos espera na próxima década e como podemos impedir ou atrasar o aparecimento de doenças que acompanham o envelhecimento foram as principais questões colocadas na 6.ª edição do Congresso CNS, que se realizou no passado dia 13 de abril na Unidade de Lisboa do CNS | Campus Neurológico. A resposta foi consensual: temos de atuar agora.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights