1.300 milhões de alunos afetados pelo encerramento de escolas

30 de Abril 2020

Paris, 29 abr 2020 (Lusa) – Cerca de 1.300 milhões de alunos no mundo estão afetados pelo encerramento dos estabelecimentos de ensino, indicam os dados mais recentes da UNESCO [...]

Paris, 29 abr 2020 (Lusa) – Cerca de 1.300 milhões de alunos no mundo estão afetados pelo encerramento dos estabelecimentos de ensino, indicam os dados mais recentes da UNESCO, que se congratulou hoje com a “reabertura progressiva” das escolas e universidades em vários países.

“Em meados de abril, atingiu-se um pico de 1.500 milhões de crianças e jovens, das creches ao ensino superior, em 195 países [que foram afetados pelas consequências da pandemia de covid-19]. O número começou a baixar, mas 1.300 milhões de 186 países estão ainda privados da escola”, escreve hoje, em comunicado, a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

Dos 195 países que encerraram as escolas em abril, 128 ainda não anunciaram qualquer calendário para se retomarem as aulas, sublinhou a organização.

Segundo a UNESCO, a China e o Japão reabriram parcialmente as escolas, numa percentagem que varia entre os 30% e os 40% dos estabelecimentos de ensino, enquanto vários países nórdicos, como a Dinamarca e Noruega, abriram as escolas primárias.

Em Madagáscar, os universitários regressaram às faculdades e, na maioria das ilhas do Pacífico, as escolas foram reabertas.

“Se o regresso à escola for bem organizado isso permitirá limitar os riscos de desaproveitamento escolar e de aprofundamento dos desequilíbrios a que podem levar as consequências da crise educativa ligada à covid-19”, acrescentou a UNESCO.

“Para já, é importante fazer passar uma forte mensagem às autoridades, às comunidades e às famílias, uma vez que se trata da necessidade de um regresso à escola quando os estabelecimentos de ensino forem reabertos”, defendeu a organização, destacando também a importâncias do apoio às populações vulneráveis.

“O que está em causa é vital para as populações vulneráveis e, em particular, para as raparigas, para evitar que a escola seja uma rampa de lançamento para a violência e desigualdade”, relevou, por sua vez, a diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay.

Hoje, a UNESCO reuniu-se com ministros da Educação de 13 países particularmente afetados pela covid-19 para analisar a questão da reabertura das escolas, em que a segurança sanitária dos alunos, professores e famílias constituirão a principal preocupação.

Para a organização, os currículos devem ser agora revistos e as atenções devem centrar-se nas competências fundamentais de cada disciplina, utilizando, para tal, aulas extraordinárias, sobretudo para os que foram mais afetados pela crise sanitária.

Os edifícios escolares, defende a UNESCO, devem ser adaptados à realidade, devendo também ser reforçadas as medidas de higiene e de prevenção.

No quadro da reunião ministerial, a UNESCO, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Banco Mundial (BM) apresentaram um guia práticos para o regresso à escola, elaborado em colaboração com o Programa Alimentar Mundial (PAM).

Segundo a UNESCO, o guia contém recomendações aos governos, administradores e agentes do setor da Educação para facilitar a reabertura dos estabelecimentos escolares.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 217 mil mortos e infetou mais de 3,1 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Perto de 860 mil doentes foram considerados curados.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights