PCP defende processo de desconfinamento mas exige proteção dos cidadãos

30 de Abril 2020

Lisboa, 29 abr 2020 (Lusa) - O secretário-geral do PCP manifestou-se a favor da adoção de medidas de desconfinamento social para a retoma da atividade económica, mas exigiu meios de proteção dos cidadãos e urgência no apoio à micro e pequenas empresas.

Lisboa, 29 abr 2020 (Lusa) – O secretário-geral do PCP manifestou-se a favor da adoção de medidas de desconfinamento social para a retoma da atividade económica, mas exigiu meios de proteção dos cidadãos e urgência no apoio à micro e pequenas empresas.

Esta posição foi assumida por Jerónimo de Sousa, após ter sido recebido pelo primeiro-ministro, António Costa, sobre o novo quadro de medidas para a contenção da pandemia de covid-19 após o fim do estado de emergência, que cessa em 02 de maio.

“Obviamente acompanhamos medidas de desconfinamento que permitam uma retoma da laboração e da economia, mas com uma nota de alerta que fizemos particularmente em relação às medidas sanitárias de proteção, seja em creches, jardins de infância, escolas, empresas ou fábricas. As condições de segurança e de salvaguarda sanitária têm de ser elemento fundamental na proteção daqueles que trabalham”, declarou o líder comunista.

Durante o encontro com António Costa, Jerónimo de Sousa disse ter chamado a atenção do Governo para “não se esquecer dos muitos milhares de pequenos empresários, que, se não forem apoiados, dificilmente poderão reabrir, o que terá tremendas consequências”.

“Poderemos assistir a um efeito mais lapidar do que em relação à situação de doença que atualmente existe. O Governo tem de ter em conta este grande setor que emprega a maioria dos portugueses e que deve ser alvo de medidas concretas que permitam a sua sobrevivência”, advertiu Jerónimo de Sousa.

Questionado sobre a substituição do estado de emergência pela declaração de calamidade, o secretário-geral do PCP afirmou que o seu partido “mantém a opinião de que existem leis suficientes para aplicar as medidas” de combate à cnovid-19, designadamente a Lei de Bases da Proteção Civil.

Jerónimo de Sousa apontou ainda “os poderes efetivos da autoridade de saúde para realizar aquilo que se pretende”.

“Nota-se aqui um abrandamento. Mas insisto que existem leis suficientes. Faltam é medidas para tranquilizar milhões de portugueses”, acrescentou.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

OMS lança iniciativa SPECS 2030

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acaba de lançar a iniciativa SPECS 2030, inserida na Global SPECS Network que tem como principal objetivo unir uma rede global de participantes para atingir a meta global do erro refrativo para 2030, que consiste no aumento de 40% na cobertura efetiva desta patologia.

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights