Ministra diz que há máscaras à venda e espera “abastecimento constante”

2 de Maio 2020

A ministra da Saúde disse hoje que há máscaras para proteção à covid-19 disponíveis no mercado, manifestando tranquilidade quanto à disponibilidade necessária após o seu uso passar a ser obrigatório nos transportes públicos a partir de segunda-feira.

“A nossa expetativa é conseguirmos garantir o abastecimento constante de equipamentos de proteção individual”, disse Marta Temido na conferência de imprensa diária sobre a pandemia.

De acordo com a ministra, “algumas grandes superfícies têm já máscaras comunitárias disponíveis” e algumas farmácias “têm, na porta, indicação de terem máscaras e gel”.

“Relativamente à disponibilidade no mercado, de equipamentos de proteção [para a comunidade], temos feito todos os esforços, quer através da importação, quer da produção nacional”, observou.

Os transportes públicos terão de circular, a partir de segunda-feira, com a lotação máxima de dois terços da sua capacidade e os utentes terão de obrigatoriamente de usar máscara, estando sujeitos a coimas se não o fizerem, determinou o Governo.

O primeiro-ministro disse que quinta-feira que vai ser obrigatório o uso de máscaras comunitárias em espaços onde exista maior concentração de pessoas, caso dos transportes públicos, dos estabelecimentos comerciais e das escolas.

Portugal regista hoje 1.007 mortos associados à covid-19, mais 18 do que na quinta-feira, e 25.351 infetados (mais 306), indica o boletim epidemiológico divulgado hoje pela Direção Geral da Saúde.

Comparando com os dados de quinta-feira, em que se registavam 989 mortos, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 1,8%.

Relativamente ao número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus (25.351), os dados da DGS revelam que há mais 306 casos do que na quinta-feira, representando uma subida de 1,2%.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights