O que condiciona a gravidade da infeção por Covid-19?

4 de Maio 2020

Investigadores encontraram uma relação significativa e positiva entre a quantidade de vírus presente numa amostra de esfregaço da garganta e a gravidade da doença Covid-19

Quanto maior é a carga viral relativa da amostra, maior o dano e mais tempo demorará até que a contagem de RNA viral se torne negativa, de acordo com os resultados de uma investigação publicada na revista Viral Immunology.

No artigo sobre “Correlação entre a carga relativa de RNA do vírus nasofaríngeo e a gravidade da doença na contagem de linfócitos em pacientes com Covid-19”, Wei Zhang e os seus colegas, do Hospital of Nanchang University (Jjangxi, China) revelam que recolheram amostras nasofaríngeas de pacientes com Covid-19 leve a grave e mediram o nível de RNA viral das amostras.

A carga viral correlacionou-se positivamente com a gravidade dos sintomas da doença e com o aumento de fatores inflamatórios. Houve uma correlação negativa entre a carga viral de SARS-CoV-2 e os linfócitos, como os linfócitos CD4 + e CD8 + T, que combatem a infeção.

David L. Woodland, editor-chefe da revista Viral Immunology, e membro do Trudeau Institute, em Saranac Lake (Nova Iorque), afirma: “Atualmente, temos apenas uma compreensão limitada de porquê alguns pacientes com o vírus SARS-CoV-2 desenvolvem sintomas graves e com risco de vida, enquanto outros não. Neste artigo, Zhang e os seus colegas apresentam dados em que correlacionam as cargas virais na nasofaringe com a gravidade e progressão da doença. Estas importantes descobertas oferecem aos médicos informações cruciais para a decisão sobre as opções de tratamento dos pacientes com Covid-19”.

Viral Immunology/AO

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APDI dedica mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII)

A APDI – Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino, colite ulcerosa, doença de Crohn está a dedicar, mais uma vez, o mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII) seguindo as indicações da EFFCA – Federação Europeia das  Associações de Doença de Crohn e Colite Ulcerosa que neste ano de 2024 escolheu como mote “A  DII não tem fronteiras”.

Nuno Jacinto: “A Medicina Geral e Familiar tem um papel central em todos os sistemas de saúde”

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) reforçou a importância da especialidade na promoção da saúde e prevenção da doença. No âmbito do Dia Mundial do Médico de Família, Nuno Jacinto falou ao HealthNews sobre os constragimentos que estes profissionais de saúde enfrentam e dos desafios que os cuidados de saúde primários enfrentam em Portugal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights