05/05/2020 | Covid 19, Opinião

é tempo de planear e implementar, de forma gradual e faseada, a atividade clínica não urgente

José Robalo
Presidente do Conselho Diretivo da ARS Alentejo

José Robalo
Presidente do Conselho Diretivo da ARS Alentejo

é tempo de planear e implementar, de forma gradual e faseada, a atividade clínica não urgente

05/05/2020 | Covid 19, Opinião

No âmbito da pandemia COVID-19, a Administração Regional de Saúde do Alentejo em alinhamento com as orientações do Ministério da Saúde e da Direção-Geral da Saúde, procedeu à reorganização dos seus serviços, o que implicou um reinventar da gestão nos cuidados prestados à população, sendo necessário adaptar, reajustar e implementar todas as medidas necessárias, quer físicas, quer materiais e humanas, de forma a assegurar condições para o tratamento do doente Covid-19, para os casos suspeitos de Covid-19, bem como garantir, da melhor forma possível, os cuidados de saúde de que a população necessita.

O número de casos positivos no Alentejo tem sido, felizmente, reduzido, comparando com a situação epidemiológica de outras regiões do país, no entanto, o trabalho envolvido na sua preparação e na resposta dada é idêntico.

Os nossos profissionais de Saúde Pública têm tido um trabalho exaustivo e exemplar, identificando precocemente os contactos dos casos confirmados e promovendo a sua contenção, contribuindo assim para o controlo das cadeias de transmissão na comunidade.

Naturalmente, que houve uma redução da atividade programada nos locais de maior afluência de doentes com suspeita de COVID, não obstante, foram salvaguardadas todas as atividades assistenciais, tais como a vacinação, o acompanhamento em Saúde Materna/Infantil, a renovação de receituário ou as cirurgias e tratamentos na área oncológica, bem como nas situações de doença aguda, ou de doentes crónicos que se apresentavam descompensados. Manteve-se também o apoio domiciliário para as situações agudas, bem como o apoio comunitário em cuidados paliativos.

Realçamos a grande disponibilidade e espírito de missão que os profissionais de todas as Unidades de Saúde têm manifestado ao longo deste período, com todas as implicações que esta entrega causou nas suas vidas pessoais e profissionais.

Todos estamos a aprender muito e a dar o melhor de nós nesta fase crítica que afetou todo o país e o mundo. Embora não se perspetivando uma retoma rápida à completa normalidade, é tempo de planear e implementar, de forma gradual e faseada, a atividade clínica não urgente, comprometendo-nos, como sempre, a servir a população alentejana da melhor forma possível, tal como tem direito.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This