Estados Unidos com 1.015 mortos nas últimas 24 horas

5 de Maio 2020

Os Estados Unidos registaram 1.015 mortos causados pela covid-19 nas últimas 24 horas, o número mais baixo em um mês, indicou hoje a Universidade Johns Hopkins.

Estes novos óbitos, registados entre as 20:30 de segunda-feira (01:30 de hoje em Lisboa) e a mesma hora na véspera, elevam para 68.689 o número de vítimas mortais desde o início da epidemia no país, o mais afetado pela covid-19 no mundo, de acordo com os dados oficiais.

Os Estados Unidos registam também o maior número de pessoas infetadas com a doença, com perto de 1,2 milhões de casos identificados. Cerca de 187.180 doentes foram já declarados curados.

De acordo com um documento interno da administração norte-americana, divulgado pelos jornais New York Times e Washington Post, prevê que o número de mortos diários devido à covid-19 poderá quase duplicar até 01 de junho.

O relatório prevê mais de três mil mortos e 200 mil novos casos registados todos os dias até àquela data, numa altura em que alguns estados norte-americanos começaram progressivamente a pôr fim às medidas de confinamento impostas à população.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 250 mil mortos e infetou mais de 3,5 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de um milhão de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos a aliviar diversas medidas.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights